Equatorial aumenta volume de energia distribuída em 11,2% no 1º trimestre, a 14.353 GWh

112

São Paulo – O volume de energia distribuída pela Equatorial alcançou 14.353 gigagawatts-hora (GWh) no primeiro trimestre de 2024, alta de 11,2% em comparação ao mesmo período do ano passado. No período, 2.916 GWh foram no mercado livre e 10.420 GWh no mercado cativo.

“Durante o 1T24 as concessões de distribuição do Norte e do Nordeste tiveram seu consumo positivamente afetado pela redução do desemprego, além dos efeitos climáticos de temperaturas elevadas e do El Niño que impactaram positivamente as concessões do Centro Oeste, Norte e Nordeste e negativamente a CEEED, na região Sul. Esses efeitos resultaram em uma energia injetada que, em bases consolidadas, cresceu 10,0% e foi acompanhada de um forte esforço de redução de perdas, se traduzindo em um aumento da energia distribuída de 11,2%”, explicou a companhia, em sua prévia operacional do 1T24.

Do total, a Equatorial Goiás distribuiu 4.334 GWh, 14,9% acima do registrado no mesmo intervalo de 2023, enquanto a Equatorial Pará teve alta de 12,5% e distribuiu 2.731 GWh, a Equatorial Maranhão forneceu 2.019 GWh, 12,4% acima, a Equatorial Piauí 1.130 GWh (+14,7%), a Equatorial Alagoas 1.259 GWh (+10,8%), a CEEE-D, do Rio Grande do Sul, 2.557 GWh (+0,9%) e a distribuidora do Amapá 323 GWh (+28,1%).

O número de consumidores total da companhia no segmento de distribuição de energia subiu 2,5% no trimestre, para 14,149 milhões em relação ao mesmo período de 2023.

A energia injetada no Sistema Interligado Nacional (SIN) no 1T24 somou 17.425 GWh, alta de 10% na comparação anual. A energia faturada cresceu 8,9% na mesma base comparativa, para 13.413 GWh. “Mesmo com o crescimento expressivo da energia injetada, as perdas consolidadas do grupo, mais uma vez, reduziram 0,2 p.p. quando comparadas ao 4T23 e apresentaram uma redução de 0,8 p.p. em relação ao 1T23, demonstrando mais uma vez um resultado positivo no trabalho de combate às perdas.”

A companhia destaca trajetória de redução nas distribuidoras, com destaque ao enquadramento das perdas regulatórias da Equatorial Goiás neste trimestre. Segundo a companhia, atualmente, há cinco distribuidoras abaixo do limite regulatório (Equatorial Pará, Equatorial Piauí, Equatorial Alagoas e Equatorial Goiás, além da CEA se considerada a cobertura adicional de CCC) e a CEEE-D, que vem focando no trabalho de redução de perdas, apresentando bons resultados ao longo dos últimos períodos.

Em Renováveis, os complexos eólicos da Echoenergia apresentaram uma redução de 24,3% na geração no intervalo quando comparado com o 1T23. A geração do trimestre foi impactada pela redução da velocidade dos ventos, que foi afetada por diversos efeitos climáticos, dentre eles as chuvas fortes nas regiões dos parques eólicos, que tem forte correlação com a redução do recurso eólico no período, explicou a empresa. “O 1T24 apresentou, ainda que em menor grau, impactos do constrained-off no período (22,4 GWh no 1T24 vs 3,3 GWh no 1T23), e desconsiderando este efeito, a geração do período seria 23,5% menor comparado ao 1T23.”

Em saneamento, a companhia teve queda de 14,2% no volume faturado de água, para 4,965 milhões de metros cúbicos (m3) e de 21% no de esgoto, para 589,2 mil m3.

O 1T24 encerrou com aproximadamente 81 mil economias ativas no serviço de distribuição de água, das quais 10,9 mil economias também são cobertas pelo serviço de coleta e tratamento de esgoto.