RADAR DO DIA: Juros nos EUA; Perse no Congresso; Reforma Tributária

172

São Paulo, SP – Os índices futuros americanos e as bolsas europeias abriram em alta. Os dados do índice dos gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) dos setores industrial
e de serviços, divulgados ontem, nos Estados Unidos, mostraram uma contração e vieram abaixo do esperado pelo mercado. A notícia animou os analistas, que enxergam um ambiente mais propício para que o Federal Reserve (Fed, banco central norte-americano) reduza os juros em breve. A próxima decisão do Comitê Federal de Política Monetária (Fomc, na sigla em inglês) acontecerá na próxima quarta-feira (1).

Além dos números dos PMIs, o mercado também esta de olhos nas divulgações do Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre dos EUA, amanhã, e da inflação do índice de preços de gastos com consumo (PCE, na sigla em inglês) de março, na sexta-feira (26). Em fevereiro, o índice avançou 0,3% na relação a janeiro, depois de ter crescido 0,4% na leitura anterior. Na comparação com fevereiro de 2023, o PCE ficou em 2,5%.

Já o núcleo do PCE, que exclui os preços de alimentos, energia e de outros produtos voláteis, aumentou 2,8% em 12 meses e subiu 0,3% em relação ao mês anterior, ou seja, uma queda em relação à alta de 0,5% de janeiro. Os números de fevereiro vieram dentro das previsões. Com isso, o mercado mantém a previsão de apenas dois cortes nos juros neste ano, com o primeiro ocorrendo no início de último trimestre.

Por aqui, ontem, a Câmara dos Deputados aprovou o projeto de lei que estabelece um teto de R$ 15 bilhões para os incentivos fiscais do Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (Perse), de abril de 2024 a dezembro de 2026, reduzindo de 44 para 30 os tipos de serviços beneficiados atualmente. A proposta será enviada ao Senado. O texto aprovado em Plenário é um substitutivo da relatora, deputada Renata Abreu (Pode-SP).

Esse texto determina o acompanhamento a cada bimestre, pela Receita Federal, das concessões de isenção fiscal dos tributos envolvidos (IRPJ, CSLL, PIS e Cofins) e sua extinção a partir do mês subsequente àquele em que for demonstrado pelo Poder Executivo, em audiência pública no Congresso Nacional, que os R$ 15 bilhões já foram gastos.

Sobre a reforma tributaria, o líder do governo, deputado José Guimarães (PT-CE), afirmou
que o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, vai encaminhar hoje à Câmara dos Deputados a regulamentação da reforma. Guimarães disse que serão encaminhados dois projetos amplos sobre o tema. Segundo o parlamentar, será feito um esforço para que as propostas sejam votadas até o dia 30 de junho pelo Plenário da Câmara.

Investidores também estão atendo à Assembleia Geral Ordinária (AGO) da Petrobras, que
acontecerá na quinta-feira. Na última sexta-feira (19), o Conselho de Administração da estatal propôs o pagamento de 50% dos dividendos extraordinários que haviam sido integralmente retidos, afirmando que “a distribuição dos dividendos não comprometeria a sustentabilidade financeira da companhia”.

A temporada de balanços com os resultados do primeiro trimestre de 2024 iniciou ontem, com os números da Usiminas. Hoje será a vez dos números da Vale e do Assaí, ambos após o fechamento dos mercados.

No setor corporativo, a Transmissora Aliança de Energia Elétrica (Taesa) concluiu captação de recursos de longo prazo através de emissão de debêntures simples, em duas séries, no valor total de R$ 1,3 bilhão, coordenada pela XP.

Os acionistas titulares de ações em circulação da Cielo deliberaram, por maioria, rejeitar a
realização de nova avaliação para determinação do valor das ações da companhia para os fins da possível oferta pública unificada de aquisição de ações (OPA) anunciada por seus acionistas controladores em fevereiro. A aprovação ocorreu nesta terça-feira, em assembleia iniciada e suspensa em 2 de abril e encerrada hoje.

Os acionistas titulares de ações em circulação da Cielo deliberaram, por maioria, rejeitar a
realização de nova avaliação para determinação do valor das ações da companhia para os fins da possível oferta pública unificada de aquisição de ações (OPA) anunciada por seus
acionistas controladores em fevereiro. A aprovação ocorreu nesta terça-feira, em assembleia iniciada e suspensa em 2 de abril e encerrada ontem.

O volume de energia distribuída pela Equatorial alcançou 14.353 gigagawatts-hora (GWh) no primeiro trimestre de 2024, alta de 11,2% em comparação ao mesmo período do ano passado. No período, 2.916 GWh foram no mercado livre e 10.420 GWh no mercado cativo.

A WEG informa que a Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária, realizada nesta data, aprovou o aumento do capital social da companhia de R$ 6,5 bilhões para R$ 7,5 bilhões, através da incorporação de parte do saldo da conta de reserva e retenção de lucros para Investimentos no valor de R$ 1 bilhão, sem aumento do número de ações.

O Grupo Carrefour Brasil registrou vendas consolidadas brutas de R$ 27,8 bilhões no primeiro trimestre deste ano (1T24), sem gasolina, envolvendo as marcas Atacadão, Carrefour, Sam’s Club e Banco Carrefour, alta de 2,5% na comparação com o mesmo período do ano anterior. No conceito mesmas lojas (LfL), as vendas do grupo Carrefour cresceram 1,2% na comparação anual. A companhia atribuiu o resultado à inflação alimentar dos últimos 12 meses, que encerrou o trimestre em 2,5% na comparação ano contra ano, segundo o IBGE, levando à recuperação dos preços e melhor dinâmica de volume com clientes B2B, que retornaram a um padrão de compra mais normalizado.

O Comitê Executivo de Gestão da Câmara de Comércio Exterior (Gecex/Camex) deliberou nesta terça-feira (23) elevar para 25% o imposto de importação de 11 tipos (NCMs, nomenclaturas de importação) de aço e estabelecer cotas de volume de importação para esses produtos de maneira que a tarifa só sofrerá aumento quando as cotas forem ultrapassadas. Serão avaliadas, ainda, outras quatro NCMs que poderão receber o mesmo tratamento. A medida vale por 12 meses.