Diretora do FMI quer que políticas do G-20 resguardem recuperação econômica

384
A diretora gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva / Foto: FMI

São Paulo – Na reunião dos ministros das finanças do G-20 e presidentes de bancos centrais, a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, afirmou que “mesmo que a recuperação econômica global continue, seu ritmo ficou mais moderado”.
“Desde então, os indicadores econômicos de entrada apontam para um impulso de crescimento mais fraco em 2022 devido ao surgimento da variante Ômicron e das interrupções da cadeia de produção, que são mais persistentes do que o previsto anteriormente”, disse Georgieva.
Há três semanas, o FMI rebaixou sua previsão de crescimento global para 4,4% – em parte devido à reavaliação das perspectivas de crescimento nos Estados Unidos e na China.
“Ao mesmo tempo, as leituras de inflação permanecem altas em muitos países, os mercados financeiros são mais voláteis e as tensões geopolíticas aumentaram acentuadamente”, acrescentou a presidente do FMI.
Ela ainda destacou três políticas prioritárias para que o crescimento global continue forte: esforços para estimular as economias a longo prazo contra a covid-19, assim como uma mudança nas políticas monetárias dos países diante de um cenário inflacionário.
“As políticas macroeconômicas precisam ser cuidadosamente calibradas para as circunstâncias individuais dos países. Devemos combater a inflação sem prejudicar a recuperação”, disse Georgieva.