Demanda por petróleo caiu no 4T23 para 1,8 mi bpd, segundo relatório da AIE

227
Foto: Troy Stoi/ freeimages.com

O relatório mensal de petróleo da Agência Internacional de Energia (AIE), divulgado hoje, aponta que houve uma redução na demanda pela commodity no quarto trimestre de 2023, ficando em 1,8 milhão de barris de petróleo por dia (bpd).

“O crescimento da demanda global por petróleo está perdendo força, com ganhos anuais reduzindo de 2,8 milhões de bpd no 3º trimestre de 2023 para 1,8 milhão de bpd no 4º trimestre de 2023. Uma queda acentuada na China sustentou uma redução de 830 mil bpd na demanda global por petróleo, para 102,1 milhões de bpd no último trimestre de 2023. O ritmo de expansão deve desacelerar ainda mais para 1,2 milhão de bpd em 2024, em comparação com 2,3 milhão de bpd no ano passado. China, India e Brasil continuarão a dominar os ganhos”, afirma um trecho do documento.

Do lado da oferta, houve uma queda acentuada de 1,4 milhão de bpd em dezembro em relação a novembro, por conta do forte frio que interrompeu a produção na América do Norte, além dos cortes voluntários feitos pelos membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e Aliados (Opep+).

“No entanto, a produção recorde dos Estados Unidos, Brasil, Guiana e Canadá ajudará a impulsionar o fornecimento não pertencente à Opep+ em 1,6 milhão de bpd este ano, em comparação com 2,4 milhões de bpd em 2023, quando o fornecimento total de petróleo global aumentou em 2 milhões de bpd, para uma média de 102,1 milhões de bpd”.

A capacidade de refino está prevista para acelerar a partir de uma baixa sazonal de 81,5 milhões de bpd em fevereiro. A atividade na Bacia do Atlântico se recuperará das interrupções relacionadas ao clima nos Estados Unidos, que reduziram as operações em até 1,7 milhão de bpd, apesar de um aumento na manutenção planejada e da entrada em operação de novas capacidades nos países não membros da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

“Para o ano de 2024 como um todo, estima-se que o processamento de petróleo bruto nas refinarias aumente em 1 milhão de bpd para 83,3 milhões de bpd, à medida que uma queda de 330 mil bpd na OCDE mitiga os ganhos nos países não membros do bloco”, diz um trecho do relatório.

A entidade também afirma que, mesmo com a intensificação das tensões no Oriente Médio, o aumento da cotaão do petróleo Brent foi de US$ 5 em janeiro.

“A estrutura futura passou de contango [quando o preço a prazo de um contrato de futuros é superior ao preço à vista] para backwardation [preço a prazo do contrato de futuros é menor do que o preço à vista], à medida que o tráfego de petroleiros do Mar Vermelho desviado congestionou as cadeias de suprimentos Ásia-Europa e atrasou os fluxos para a Bacia do Atlântico”.