Confiança do consumidor avança pelo segundo mês seguido em maio

São Paulo – O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) manteve em maio o ritmo de recuperação depois da forte a forte retração (-9,8 pontos) ocorrida em março e subiu 3,7 pontos na comparação com o mês anterior, depois de alta de 4,3 pontos em abril, alcançando 76,2 pontos, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV). Entretanto, o índice recuperou até o momento 81% da retração registrada dois meses atrás.

“Em maio, a confiança dos consumidores manteve a tendência positiva observada no mês anterior”, disse Viviane Seda Bittencourt, coordenadora de sondagens da FGV. “Mas mesmo otimistas com relação à situação econômica do país nos próximos meses, a expectativa das finanças pessoais não avançam e o ímpeto para consumo continua muito baixo”, prosseguiu ela.

A abertura do dado mensal mostra que o resultado reflete melhoras tanto na percepção em relação ao presente quanto em relação ao futuro. Em base mensal, o Índice de Situação Atual (ISA) avançou 4,2 ponto, a 68,7 pontos, distanciando-se das mínimas históricas, enquanto o Índice de Expectativas (IE) teve alta de 3,2 pontos, a 82,4 pontos.

Entre os quesitos que compõem o ICC, os que medem o grau de satisfação com a situação atual em relação à economia geral e sobre a condição financeira registraram melhora. Em relação às expectativas, o indicador que mede as perspectivas para a economia foi o que mais contribuiu para o aumento da confiança em meio, retornando a níveis próximos dos de outubro do ano passado.

Na análise por renda, houve melhora da confiança em todas as faixas, com destaque para as famílias de renda entre R$ 2,1 mil e R$ 4,8 mil reais, para as quais a confiança ainda encontra-se em níveis baixos em termos de série histórica.

A edição deste mês coletou informações de 1.628 domicílios entre os dias 1 e 21 de maio. A próxima divulgação da sondagem do consumidor será em 24 de junho.