CCR conclui transição operacional de 15 aeroportos do país

203

São Paulo – A CCR Aeroportos assume hoje, simultaneamente, a operação dos três últimos aeroportos conquistados na Sexta Rodada de Concessões Aeroportuárias do Governo Federal, em leilão no ano passado.
A partir de agora, a empresa é responsável pelos aeroportos de Curitiba e Foz do Iguaçu, no Paraná, e de Navegantes, em Santa Catarina. Com isso, a companhia passa a operar 15 aeroportos do país.
O investimento previsto é de R$ 4,8 bilhões ao longo dos 30 anos de concessão. Até o fim do primeiro semestre deste ano, a empresa passa a operar também o Aeroporto da Pampulha, em Belo Horizonte, concedido pelo governo de Minas Gerais.
Segundo nota da CCR, em Curitiba, uma das estratégias é tornar o aeroporto um relevante centro de negócios de logística. Isso acontecerá por meio do incremento de operações de voos cargueiros nacionais e internacionais, ampliação de parcerias para implantação de novos armazéns logísticos com foco no e-commerce, aeroporto indústria e transporte multimodal.
A CEO da CCR Aeroportos, Cristiane Gomes, destaca que Curitiba é um polo industrial e de serviços, Foz do Iguaçu tem grande relevância para a indústria do turismo, e Navegantes, além do potencial turístico, também é a porta do Vale do Itajaí, onde está instalada uma importante indústria pesqueira.
“Vamos potencializar, com ações conjuntas com representantes das regiões, essas vocações com investimentos em melhorias da infraestrutura dos aeroportos, aumento da oferta de serviços e o aprimoramento da segurança, conforto e da experiência dos nossos clientes”, destaca.
As primeiras ações da CCR Aeroportos serão na requalificação da infraestrutura, na sinalização, pintura, aplicação de nova identidade visual, higiene e limpeza, entre outros serviços que serão percebidos de maneira mais imediata pelos clientes. A empresa começa agora a fazer a operação e as primeiras intervenções, relacionadas às obrigações previstas no contrato de concessão, a refinar os cronogramas e projetos de investimentos, incluindo obras e a implantação de novos equipamentos em cada um dos 15 aeroportos.
Em outro eixo de trabalho, a companhia já está em contato com parceiros comerciais, analisando oportunidades para viabilizar novas opções de alimentação, varejo e demais serviços nos aeroportos.