Bullard, do Fed, defende manutenção de juros mesmo com impacto do coronavírus

201

São Paulo – O presidente da unidade do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) de Saint Louis, James Bullard, disse que o surto do novo coronavírus pode temporariamente retardar o crescimento econômico global, mas o Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) está bem posicionado por causa dos cortes de juros anteriores para proteger a economia dos Estados Unidos contra choques adversos.

“A taxa de juros foi reduzida nos Estados Unidos diante de uma busca global por segurança, provavelmente beneficiando a economia norte-americana”, disse ele durante uma apresentação à Câmara de Comércio Regional de Fort Smith, em Fort Smith, Arkansas.

No ano passado, o Fomc cortou a taxa básica três vezes, para o patamar atual de 1,50% a 1,75% ao ano, e tem sinalizado que manterá os juros inalterados até que algum evento mude suas perspectivas para a economia norte-americana.

“Mais cortes nos juros são possíveis se uma pandemia global se desenvolver com efeitos na saúde que se aproximam da escala da gripe comum, mas esse não é o cenário de base no momento”, disse.