OMS nega que status atual do novo coronavírus é de pandemia

318
Bandeira com o símbolo da Organização Mundial da Saúde (OMS). (Foto: Missão dos EUA/Eric Bridiers)

São Paulo – A Organização Mundial de Saúde (OMS) evitou mais uma vez declarar pandemia para o novo coroanvírus, afirmando que a situação atual não é caracterizada pela exposição de todas as pessoas ao redor do mundo, embora tenha elevado de alto para muito alto o risco global para a doença.

“A China é um exemplo de que a doença pode ser contida, com a diminuição do número de caso – uma mostra de que a situação atual não é de pandemia e que o mundo não está exposto à doença”, disse o diretor executivo da OMS, Michael J, Ryan, em entrevista coletiva. “A fase atual é de mitigação do vírus”, acrescentou.

Questionado sobre a razão pela qual o alerta global foi elevado de alto para muito alto, Ryan se limitou a dizer que a situação era grave.

“A situação é grave e não podemos ignorar esse fato, no entanto, não há motivo para pânico porque estamos coordenando trabalhos com governos e autoridades locais para evitar que o vírus se espalhe e contamine mais pessoas.

Se considerarmos os números de contaminados e o tamanho da população global, o número de casos ainda é baixo”, afirmou.

De acordo com o chefe da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, nas últimas 24 horas, a China reportou 329 casos de Covid-19 – o menor número em mais de um mês -, enquanto o número de casos reportados à OMS somava 78.959 nesta manhã, incluindo 2.791 mortes. Fora da China, existem 4.351 casos em 49 países e 67 mortes.

“Desde ontem, Dinamarca, Estônia, Lituânia, Holanda e Nigéria reportaram os primeiros casos de Covid-19. Todos esses casos estão ligados com a disseminação da doença na Itália”, afirmou Ghebreyesus.

Segundo ele, 24 casos da doença foram exportados da Itália para 14 países até o momento, e 97 casos foram exportados do Irã para 11 países. “O aumento contínuo do número de casos de Covid-19 e o número de países afetados nos últimos dias são claramente preocupantes”, disse.

“O que vemos no momento são epidemias vinculadas do Covid-19 em vários países, mas a maioria dos casos ainda pode ser atribuída a contatos ou grupos de casos conhecidos”, acrescentou.

CACHORRO CONTAMINADO

A OMS confirmou ainda que um teste indicou que um carro em Hong Kong contraiu o novo coronavírus mas, segundo, a chefe da equipe técnica da entidade, Maria Van Kerkhove, não há indícios no momento de que o animal possa ser fonte de contágio para humanos.

“Os testes estão sendo analisados porque ainda não sabemos como o animal foi contaminado e nem como ele pode infectar o ser humano”, disse Van Kerkhove em entrevista coletiva. “Há muito trabalho a ser feito para entender como a doença se espalha e quais são as fontes de contaminação”, acrescentou.

Segundo ela, a origem do Covid-19 ainda está sendo estudada e não há nenhuma conclusão sobre o assunto até o momento.

Ela lembrou que um mercado de frutos do mar em Wuhan, na China, foi apontado inicialmente como o foco do novo coronavírus, mas já há indícios de que pessoas que não estiveram no mercado ou entraram em contato com produtos vendidos no local também contraíram a doença.

“Existem muitas fontes possíveis da origem do vírus e estamos avaliando todas elas”, acrescentou.