BTG, XP e Levante destacam resultado recorde da Usiminas

São Paulo – Os analistas do BTG Pactual mantiveram a recomendação de compra das ações da Usiminas, devido ao resultado considerado muito forte, com ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) recorde de R$ 2,4 bilhões, 20% acima das estimativas da casa, assim como em preço, considerado uma surpresa positiva, 5% acima do esperado, na comparação anual, e 24% maior na comparação trimestral.

“Esses indicadores, combinados com volumes 20% mais fortes, em base anual, justificaram esse resultado melhor que o esperado”, disseram, em relatório.

Outros destaques apontado pelo BTG foram o braço de mineração que atingiu margem ebitda de 70% em cima do preço mais alto do minério no trimestre e a geração de caixa ligeiramente abaixo, negativa em R$200 milhões, devido a capital de giro.

A XP também considerou o resultado positivo, destacando o ebitda recorde com preços e volumes de aço mais altos, acompanhando o melhor mercado doméstico de aço e preços mais altos do minério de ferro, com alavancagem estável em relação ao trimestre anterior, como consequência de melhores números operacionais, compensados por um maior câmbio na marcação a mercado da dívida.

Os analistas esperamos uma reação positiva do preço das ações e mantiveram a recomendação neutra para os papéis, com preço-alvo de R$16,5 por ação, considerando que a companhia vem sendo negociada um pouco abaixo dos níveis históricos.

A Levante disse que o principal destaque foi o segmento de aço, que obteve um crescimento de receita superior à alta de custos, melhorando a margem ebitda de 13,9% em relação ao quarto trimestre, para 21,8% neste trimestre, alcançando R$ 1,26 bilhão.

“A empresa aproveita um excelente momento de alinhamento de estrelas no mercado de aço, com demanda externa forte, além da demanda doméstica puxada pela recomposição de estoques na indústria, oferta restrita, câmbio em patamares altos. Isso favorece a rentabilidade da companhia, que vem aumentando a sua produção após o religamento de altos fornos para produzir mais aço, além do repasse de preços sem dificuldades”, disseram, em comentário por e-mail a clientes.

Com isso, a corretora espera um impacto positivo no preço das ações da companhia no curto prazo, com a manutenção de bons indicadores para o setor, baixa alavancagem financeira, mais espaço para repasse de preços no aço e retorno do volume de vendas de minério de ferro.

Apesar da expectativa de alta do mercado, às 15h27 (horário de Brasília), as ações da Usiminas (USIM5) caíam 0,85%, e eram negociadas a R$ 22,02.