BTG Pactual mostra cautela positiva para ações do setor de varejo

233
Foto divulgação: Sebrae

São Paulo – Em relatório sobre o setor de varejo, o BTG Pactual, projetou, para 2021, uma tendência de desaceleração do comércio eletrônico, com expansão dos principais players, consolidação em alguns segmentos de varejo e possível fechamento de empresas menores, diante de uma perspectiva de manutenção das restrições à circulação e ao consumo ainda sob impacto da covid-19.

Os analistas Luiz Guanais e Gabriel Savi disseram que mesmo considerando que os preços dos papéis do setor estejam extremamente valorizados, que o tráfego nas lojas tenha sido atingido pela segunda onda do vírus e que as empresas deveriam ser mais promocionais para compensar parte desse efeito, há oportunidades valiosas para empresas premium, como Magazine Luiza e Arezzo.

Com uma visão cautelosamente positiva para o setor devido a pandemia, o relatório apontou uma expectativa de melhores resultados no quarto trimestre em relação ao anterior, sustentada pelo bom desempenho das vendas em outubro e novembro, mas abaixo do que o mercado precificou por conta de uma expectativa de recuperação mais forte.

Entre os destaques positivos, foram mencionados os fortes resultados em comércio eletrônico das companhias Magazine Luiza, B2W, Carrefour, Pão de Açúcar, Lojas Quero, Petz, Track&Field e Hypera.

Por outro lado, os magazines C&A, Lojas Renner, Marisa, Hering e Centauro foram mencionadas entre as mais impactadas pela pandemia, com recuperação abaixo das expectativas e forte pressão sobre os lucros.

Às 16h36 (horário de Brasília), as ações de quatro varejistas estavam entre as maiores altas do Ibovespa, com B2W (BTOW3) em alta de 8,65%, a R$ 87,60, Magazine Luiza (MGLU3) em elevação de 5,27%, a R$ 25,35, Lojas Americanas (LAME4) com avanço de 3,81%, a R$ 25,59, Hering (HGTX3), em alta de 1,73%, a R$ 17,00, e Via Varejo (VVAR3) subia 1,60%, a R$ 14,55.