Bolsa fecha em ligeira queda com blue chips mistas e na semana sobe; dólar cai

197

São Paulo- O Ibovespa fechou em queda, em uma sessão volátil, com os investidores mais cautelosos, buscaram proteção devido ao carnaval em que a Bolsa ficará fechada na segunda (12) e terça-feira (13) e voltará a operar só na quarta-feira (14) às 13h.

As ações das blue chips fecharam mistas, enquanto a Vale (VALE) e a Petrobras caíram, Itaú (ITAÚ) subiu. Os papéis ligados ao ciclo doméstico encerraram no positivo acompanhando a queda na curva de juros. Na semana, o índice fechou em alta de 0,66%.

A Vale (ON, -%) e as metálicas caíram refletindo o feriado do Ano Novo Lunar na China em que não haverá cotação do minério de ferro. Petrobras (PETR4) recuou 1,33%, contrário ao petróleo. Itaú (ITUB4) subiu 1,26%. Banco do Brasil (BBAS3) e Bradesco (BBDC4) recuaram 1,65% e 0,73%, respectivamente. Multiplan (MULT3) baixou 3%.

Para alguns analistas, o resultado do Banco do Brasil (BBAS3) divulgado ontem foi positivo e para outros não foi tão bom assim. O banco registrou lucro líquido ajustado recorde de R$ 35,6 bilhões em 2023, que representa um RSPL (retorno sobre patrimônio líquido) de 21,6% e um crescimento de 11,4% em relação a 2022. Em relação ao 4T23, o lucro líquido ajustado foi de R$ 9,4 bilhões, aumento de 7,5% na comparação com o trimestre anterior e de 4,8% em relação ao 4T22.

O banco vai pagar R$ 2,3 bilhões em dividendos e Juros sobre Capital Próprio (JCP) aos acionistas em 29 de fevereiro.

O principal índice da B3 caiu 0,14%, aos 128.025,70 pontos. O Ibovespa futuro com vencimento em fevereiro recuou 0,17%, aos 128.045 pontos. O giro financeiro foi de R$ 23,6 bilhões. Nos Estados Unidos, os índices fecharam mistos

Leonardo de Santana, analista da Top Gain, disse que a Bolsa está refletindo o feriado de carnaval.

“Não vejo mau humor, mas um pouco mais de proteção por conta do feriado prolongado aqui em que a bolsa não abrirá segunda e terça e volta só na quarta às 13h; na terça feira vai ter CPI [inflação ao consumidor nos EUA] de janeiro e estaremos fechados; pontualmente não tem nada nem interno e nem externo, o CPI de dezembro foi revisado [subiu 0,2% contra o anunciado anteriormente de alta de 0,3%], o que animou lá fora, mas não refletiu na nossa bolsa. A Vale cai em meio ao feriado na China, setor financeiro misto. O Banco do Brasil soltou balanço bom, mas cai, Bradesco caiu forte a semana inteira e acumula queda de 13% na semana. Petrobras trabalha no negativo, apesar do petróleo em alta”.

Um gestor de investimentos de um grande banco disse que em dia de liquidez baixa por conta do feriado de carnaval e falta de notícias aqui e lá fora, a “bolsa tem volatilidade e o mercado repercute os balanços das companhias como Banco do Brasil e Usiminas; sem a referência da China devido ao feriado do Ano Lunar que dura uma semana, as empresas ligadas às commodities sofrem como a Vale, ação de maior peso no índice”.

Gustavo Cruz, estrategista-chefe da RB Investimentos, disse que com o feriado do carnaval em que a bolsa fica fechada dois dias e meio e lá fora os mercados funcionam normalmente, “o investidor fica em uma posição fechada, congelada enquanto no exterior pode acontecer fatos importantes. Outro agravante é que coincide com o feriado na China e a liquidez fica reduzida”.

O estrategista-chefe da RB Investimentos disse que alguns pontos do balanço do Banco do Brasil não foram tão positivos.

“Teve uma leve alta na inadimplência [era de 2,9% pelo critério de atrasos acima de 90 dias, alta de 0,3pp em um ano], o agronegócio cresceu bastante [o saldo de R$ 355,3 bilhões, crescimento de 4,5% em relação a setembro/23 e 14,7% em 12 meses], o que é bom, mas no mesmo dia a Conab disse que está revisando pra baixo a estimativa de colheita em 2024; a Multiplan está com queda considerável e teve pontos de decepção no crescimento da receita, curva de juros pra baixo por conta dos dados de serviços [subiu 0,3% e previsão era +0,65%],o que sugere que o BC se mostre sensível mais cedo a uma atividade um pouco mais fraca e isso vai demandar um corte de juros um pouco maior”.

O dólar comercial fechou em queda de 0,68%, cotado a R$ 4,9606. A moeda refletiu, ao longo da sessão, certa melhora no cenário global, além da liquidez reduzida devido ao feriado chinês e véspera de Carnaval. Na semana, a moeda teve desvalorização de 0,14%.

Para o sócio da Pronto! Invest Vanei Nagem, existe certa esperança de que os juros dos Estados Unidos comecem a cair em breve.

Nagem pontua que o dólar está se acomodando, também puxado pela falta de novidades nos Estados Unidos, e que depois das 13h a redução da liquidez deve ganhar ainda mais força.

As taxas dos contratos futuros de Depósitos Interfinanceiros (DI) fecham em queda, reagindo à Pesquisa Mensal de Serviços, que trouxe dados abaixo do esperado.

O DI para janeiro de 2025 tinha taxa de 10,005% de 10,015% no ajuste anterior; o DI para janeiro de 2026 projetava taxa de 9,760% de 9,790%, o DI para janeiro de 2027 ia a 9,920%, de 9,945%, e o DI para janeiro de 2028 com taxa de 10,185% de 10,200% na mesma comparação.

Os principais índices do mercado de ações dos Estados Unidos fecharam o pregão desta sexta-feira em campo misto, com o S&P 500 alcançando um marco significativo ao superar o nível de 5 mil pontos, impulsionado por fortes lucros e indicadores econômicos positivos.

Confira abaixo a variação e a pontuação dos índices de ações dos Estados Unidos após o fechamento:

Dow Jones: -0,14%, 38.671,69 pontos
Nasdaq 100: +1,25%, 15.990,7 pontos
S&P 500: +0,57%, 5.026,61 pontos

 

Com Paulo Holland, Camila Brunelli e Larissa Bernardes / Agência CMA