BofA vê com otimismo rumores de venda de parte de metais básicos da Vale por US$ 2,5 bi

579
Carregamento de caminhões fora de estrada na Mina de Conceição, Itabira (MG), da Vale / Foto: Janaina Duarte

São Paulo – Relatos da imprensa informam que a Vale está em negociação para vender uma participação de até 15% de sua divisão de metaisbásicos por US$ 2,5 bilhões, o que, na opinião dos analistas do Bank of America (BofA), tem potencial de destravar até R$7 bilhões, ou quase 11% do valor atual.

Recentemente, a Vale anunciou a separação de seus ativos de metais básicos no Brasil em duas unidades. Esse movimento, na opinião do BofA, é provavelmente o primeiro passo para se preparar para uma transação de desbloqueio de valor. Em última análise, acreditamos que a intenção por trás de uma potencial venda de participação minoritária poderia ser não apenas desencadear a descoberta de valor, mas também, se fosse vendida a uma montadora, poderia abrir caminho para futuros acordos de compra, particularmente para seu níquel Classe I (60-70 % dos volumes), o que poderia gerar um prêmio sobre os preços da LME. diz análise.

O BofA tem classificação neutra para a Vale dada a visão cautelosa do BofA sobre minério de ferro, mas somos construtivos quanto ao foco da empresa no retorno aos acionistas. Os analistas atribuíram preço-alvo de US$ 16 para VALE 3.

Por volta das 12h10 (horário de Brasília), VALE3 recuava -1,50%, a R$75,80.

A mineradora havia sinalizado em sua turnê com investidores no início de setembro que estava avaliando opções para desbloquear valor em sua divisão de metais básicos, incluindo cisão do ativo, listagem, estabelecimento de parcerias e/ou venda de participação no ativo. De acordo com a empresa, um roadmap para destravar valor na divisão de metais básicos deve ser anunciado até o final deste ano, provavelmente no Vale Investor Day no início de dezembro.

“Historicamente, este é um ativo que gerou cerca de US$ 2,5 bilhões em ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) e assumindo um múltiplo de ebitda de 7x para este ativo (em linha com o múltiplo histórico de pares de metais básicos) implicaria uma avaliação em torno deaté US$ 17,5 bilhões”, dizem os analistas que avaliam a participação minoritária em questão em até US$ 7,5 bilhões.