BB Seguridade emite R$644 milhões em prêmios em fevereiro, alta de 12%

São Paulo – A BB Seguridade registrou R$ 664 milhões em prêmios emitidos em fevereiro, alta de 11,7% em relação a fevereiro de 2020, segundo dados da Superintendência de Seguros Privados (Susep) divulgados pela seguradora no mês. Na mesma base de comparação, os prêmios emitidos pelo mercado, excluindo os dados da companhia, totalizaram R$ 5,6 bilhões, 14,7% acima do mesmo mês do ano passado.

Por segmentos, vida apresentou a maior parcela dos resultados, com R$ 244 milhões, uma evolução de 16,9% na mesma base de comparação, devido ao bom desempenho comercial que levou ao aumento das vendas, disse a companhia. A variação do segmento ficou acima do mercado, que registrou alta de 7,2% em vida.

Já o seguro prestamista retraiu 22,7% em relação ao mesmo mês de 2020, mas na comparação com janeiro deste ano, apresentou melhora, com o prêmio médio diário crescendo 18,2%.

Outro destaque positivo foi o segmento rural, que registrou crescimento de 44,1% comparado ao mesmo mês do ano anterior, explicado pelo incremento em todas as linhas de negócio, mas principalmente no seguro agrícola, em função da liberação antecipada do custeio da safra pelo Banco do Brasil.

Em relação aos prêmios emitidos, o volume total cresceu 5,6% para R$ 1,4 bilhão nos dois primeiros meses do ano. Na mesma base de comparação, os prêmios emitidos por outras empresas do mercado ex-BBSE tiveram alta de 15% e totalizaram R$ 11,7 bilhões.

Em prêmios emitidos por segmentos, o de vida alcançou R$ 481 milhões no primeiro bimestre de 2021, alta de 11,5% em relação ao mesmo período de 2020, enquanto o prestamista caiu 28,5%, para R$ 271 milhões, o habitacional teve queda de 2,6%, para R$ 46 milhões, o rural somou R$ 499 milhões,alta de 28,4%, enquanto o residencial subiu 21%, para R$ 40 milhões e o empresarial cresceu 43,5%, para R$ 53 milhões.

A companhia também destaca que o volume de contribuições em relação ao mesmo mês do ano passado retraiu 13,0%, no entanto, se manteve acima do patamar histórico (R$162,1 milhões/dia), devido, em parte, pela forte base de comparação com fevereiro de 2020, quando foi registrada a melhor contribuição média diária de previdência para esse mês na série histórica.