Petroleiros da Repar, da Petrobras, iniciam greve sanitária

A Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar). (Foto: André Valentim/Agência Petrobras)

São Paulo – Os trabalhadores da Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar) da cidade de Araucária, no Paraná, decidiram entrar em greve sanitária a partir de hoje. Os funcionários pedem a suspensão, por tempo indeterminação, da parada de manutenção da unidade devido a crise gerada pela pandemia de coronavírus.

Segundo a Federação Única dos Petroleiros (FUP) a medida coloca em risco mais de dois mil empregados na Repar, além de causar aglomerações no parque industrial, situação propício para o surgimento de um foco de contaminação em massa.

O Sindipetro-PR/SC informou que, durante o movimento, a entidade realizará reuniões virtuais diárias com os trabalhadores da Repar, para avaliar a greve e definir as próximas ações.

Ainda segundo o Sindipetro-PR/SC,foram registradas três mortes de trabalhadores terceirizados na Repar por covid-19, mas o fato não foi comunicado aos demais empregados pela administração da empresa.

“De acordo com o último boletim de monitoramento da Covid-19 (n 51) do Ministério de Minas e Energia (MME), divulgado na segunda passada (5/4), a Petrobrás já registrou 20 mortes de trabalhadores próprios pela doença. Pelas informações recebidas pela FUP e seus sindicatos, porém, esse número é pelo menos três vezes maior, com 60 mortos”, disse a FUP em nota.