Ata do BCE revela cautela sobre política monetária em meio a sinais mistos na economia global

225
Sede do Banco Central Europeu (BCE), em Frankfurt. Foto: Divulgação/ BCE

São Paulo – A última reunião do Conselho do Banco Central Europeu (BCE), realizada nos dias 24 e 25 de janeiro, mostrou um quadro de cautela diante de sinais mistos na economia global, conforme revelado na ata divulgada nesta quarta-feira.

Desde a reunião anterior em dezembro de 2023, o rápido afrouxamento das condições financeiras observado após outubro havia se estabilizado e até mesmo reduzido ligeiramente. As condições financeiras melhoraram em novembro e dezembro, à medida que a narrativa nos mercados financeiros mudou para uma rápida desinflação e uma possível flexibilização da política monetária. No entanto, após a comunicação do BCE contrariando as expectativas de um ciclo de redução das taxas iniciado em março de 2024, as condições financeiras tornaram-se ligeiramente mais restritivas.

A inflação na zona do euro aumentou para 2,9% em dezembro devido a efeitos de base relacionados à energia, mas o aumento foi menor do que o esperado. A inflação dos serviços permaneceu estável em 4,0%, enquanto a inflação dos produtos alimentares e industriais não energéticos continuou a diminuir. Embora os dados tenham confirmado a trajetória descendente da inflação, alguns fatores adversos, como tensões geopolíticas e pressões salariais, poderiam aumentar novamente o dinamismo da inflação.

Quanto à atividade econômica, a economia da zona do euro provavelmente estagnou no último trimestre de 2023, após uma ligeira contração no trimestre anterior. Embora indicadores prospectivos tenham sinalizado alguma recuperação do crescimento, a incerteza persistia.

Diante desse cenário, o Conselho do BCE manteve inalteradas as três taxas de juros diretoras do BCE. Os membros concordaram que eram necessários mais progressos no processo desinflacionista antes de considerar qualquer mudança na política monetária. No entanto, reconheceram que os riscos para atingir a meta de inflação estavam globalmente equilibrados ou, pelo menos, tornando-se mais equilibrados.

A ata também revelou que houve um amplo consenso entre os membros de que era prematuro discutir cortes nas taxas naquela reunião, com o risco de cortar as taxas cedo demais ainda considerado superior ao risco de cortar tarde demais. Portanto, a política monetária permaneceria dependente dos dados, com o objetivo de garantir que as taxas de juros diretoras do BCE permanecessem em níveis que contribuiriam substancialmente para o retorno da inflação ao objetivo de médio prazo de forma oportuna.

Além disso, os membros concordaram em continuar aplicando flexibilidade no reinvestimento dos resgates vencidos na carteira do PEPP (Programa de Compras de Emergência Pandêmica).