Anvisa decide sexta-feira sobre importação de Covaxin e Sputnik V

O diretor-presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres. (Foto: Jefferson Rudy / Agência Senado)

São Paulo – A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decidirá na sexta-feira (4) se autoriza os pedidos de importação e distribuição de duas vacinas contra a covid-19 – a Covaxin e a Sputnik V. A reunião será transmitida a partir das 10h, pelo canal da Anvisa no YouTube.

A autorização para a importação não significa que as vacinas poderão ser aplicadas na população. Isto só é permitido caso a Anvisa conceda autorização para uso emergencial ou o registro sanitário das duas vacinas.

No final de março, a Anvisa havia rejeitado o pedido anterior para a importação da Covaxin, mas o governo e a Precisa Medicamentos seguiram em negociação com a agência para corrigir os problemas que impediram a liberação – o principal deles o descumprimento de boas práticas de fabricação pela Bharat Biotech, a empresa que produz a Covaxin. A companhia indiana protocolou novo pedido de certificação na Anvisa, referente à linha de produção do produto acabado.

Se a Covaxin tiver o registro aprovado, será incorporada ao Programa Nacional de Imunizações (PNI). O Ministério da Saúde contratou 20 milhões de doses, com o pagamento condicionado à aprovação do registro para uso.

No caso da Sputnik, no final de abril, a Anvisa rejeitou a importação de doses da vacina produzida pelo Instituto Gamaleya, da Rússia, afirmando que os lotes analisados mostram que o adenovírus usado para gerar a imunidade contra a covid-19 ainda tinha capacidade de se reproduzir no corpo humano – e que essa capacidade de reprodução precisava ser neutralizada.