Yellen descarta inflação persistentemente elevada nos Estados Unidos

A secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janett Yellen / Foto: Federal Reserve

São Paulo – A secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen, ecoou a mensagem do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) ao afirmar que a inflação não deve permanecer elevada no país por muito tempo. Ela atribuiu a recente aceleração da taxa aos efeitos da reabertura econômica.

“Não queremos que a inflação acelere e permaneça elevada por muito tempo porque sabemos dos efeitos que isso causa sobre a economia e a população. No entanto, não acredito que a inflação permanecerá elevada por muito tempo, vejo esse comportamento como transitório e ligado ao processo de reabertura econômica”, disse ela a um comitê da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos.

Segundo Yellen, os gargalos de oferta, a falta de semicondutores e a retomada de alguns setores afetados pela pandemia de covid-19 estão provocando o aumento de preços nos Estados Unidos. Em abril, a inflação medida pelo índice de preços ao consumidor norte-americano acelerou 4,2% em base anual, superando previsões e surpreendendo o mercado.

“Veremos alguns ajustes, está não é uma inflação endêmica”, afirmou ela.

As declarações de Yellen sobre a inflação refletem a crença do Fed de que a inflação irá acelerar nos próximos meses nos Estados Unidos e encerrar o ano acima da meta de 2% do banco central norte-americano. Esse movimento, na visão da autoridade monetária, será  temporário e não demandará uma ação via aumento da taxa de juros – hoje perto de zero – para conter esse aumento de preços.

“Se a inflação persistir em patamar elevado, acredito que temos ferramentas para lidar com isso”, disse Yellen, que já foi presidente do banco central norte-americano.

Falando aos deputados, a secretária do Tesouro também comentou sobre a situação do mercado de trabalho dos Estados Unidos. Ela reconheceu a recuperação de vagas em curso, mas afirmou que ainda há ociosidade.

“Nos últimos meses tivemos a recuperação de empregos, mas ainda estamos 8 milhões de vagas abaixo dos níveis anteriores à pandemia. Existem vários motivos para que as pessoas não voltem ao mercado de trabalho, incluindo o cuidado dos filhos na pandemia”, afirmou ela.

Em abril, a economia norte-americano criou 266 mil vagas e a taxa de desemprego subiu para 6,1%. A performance surpreendeu negativamente o mercado e os economistas, que esperavam uma abertura de postos de trabalho da ordem de 1 milhão.

“Com a reabertura, as coisas devem voltar ao normal. O governo ajudou as pessoas a atravessar esse período, esperamos que elas voltem ao trabalho”, disse ela.

ORÇAMENTO

Yellen falou aos deputados um dia antes de o governo norte-americano apresentar formalmente sua proposta orçamentária. Ela renovou seus apelos aos legisladores para a ampliar dos recursos do Tesouro para que o departamento possa continuar apoiando a retomada da economia.

“A velocidade e a força de nossa recuperação – e nossa economia, de longo prazo – dependem de um Tesouro totalmente financiado. Estou ansiosa para trabalhar com vocês para que isso aconteça”, disse.

Segundo ela, embora o portfólio do Tesouro tenha crescido para corresponder à urgência do momento, o orçamento anual não cresceu em conjunto e o financiamento fornecido para administrar novos programas é temporário. Sem levar em conta a inflação, Yellen disse que o orçamento anual do Tesouro ainda está no mesmo nível aprovado de 2010.

“Nossa equipe tem feito um trabalho valioso na implementação desses programas com os recursos à nossa disposição. Mas não podemos continuar a ser bons administradores dessa recuperação – e enfrentar os novos corpos de trabalho que o Congresso nos atribuirá nos anos seguintes – com um orçamento que foi projetado para 2010”, afirmou ela.