Vendas no varejo sobem 2,5% em janeiro ante dezembro; previsão era de +0,10%

231
Foto: Ksenia Chernaya / Pexels

São Paulo – As vendas do comércio varejista restrito, que excluem veículos e material de construção, subiram 2,5% em janeiro ante dezembro, de acordo com dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado veio sensivelmente acima da previsão de +0,10%, conforme mediana das estimativas coletadas pelo Termômetro CMA.

Na comparação com janeiro de 2023, as vendas no varejo subiram 4,1%, acima da mediana das estimavas de +1,10% coletadas pelo Termômetro CMA.

No comércio varejista ampliado, que inclui veículos, motos, partes e peças e material de construção, o volume de vendas cresceu 2,4% na série com ajuste sazonal. A média móvel trimestral foi de 0,8%, superior ao trimestre encerrado em dezembro (-0,1%).

Na série sem ajuste sazonal, que inclui, além das atividades citadas, o atacado especializado em alimentos, bebidas e fumo, o varejo ampliado cresceu 6,8%, acumulando alta de 2,9% em 12 meses.

Em janeiro, o comércio varejista brasileiro cresceu 2,5% na comparação com o mês anterior, após a queda registrada em dezembro (-1,4%). É a primeira alta desde setembro de 2023, quando o crescimento no volume de vendas foi de 0,8%. Após esse registro, houve dois meses de estabilidade (-0,3% em outubro e 0,2% em novembro) e a queda de dezembro. Com o resultado de janeiro, o comércio passou a operar 0,8% abaixo do nível recorde da série histórica da pesquisa, atingido em outubro de 2020, e 5,7% acima do patamar pré-pandemia, registrado em fevereiro de 2020.

Em janeiro de 2024, na série com ajuste sazonal, houve taxas positivas em cinco das oito atividades pesquisadas: Tecidos, vestuário e calçados (8,5%), Equipamentos e material para escritório informática e comunicação (6,1%), Outros artigos de uso pessoal e doméstico (5,2%), Móveis e eletrodomésticos (3,6%) e Hiper, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (0,9%).

Por outro lado, entre dezembro e janeiro, houve taxas negativas nos demais grupos de atividades do varejo: Livros, jornais, revistas e papelaria (-3,6%), Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria (-1,1%) e Combustíveis e lubrificantes (-0,2%).
As duas atividades adicionais que compõem o varejo ampliado nesse indicador tiveram trajetória distinta: Veículos, motos, partes e peças cresceu 2,8% e Material de Construção variou -0,2% em volume.

Em relação a janeiro de 2023, seis dos oito setores investigados no comércio varejista avançaram: Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria (7,1%), Hiper e supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (6,4%), Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (4,3%), Tecidos, Vestuário e Calçados (0,7%), Combustíveis e lubrificantes (0,6%) e Móveis e eletrodomésticos (0,3%).

Os outros dois recuaram na mesma comparação: Livros, jornais, revistas e papelaria (-9,0%) e Outros artigos de uso pessoal e doméstico (-2,2%).

No comércio varejista ampliado, houve taxas positivas nas três atividades adicionais que são consideradas na comparação com o mesmo período do ano anterior: Veículos, motos, partes e peças ( 11,9%), Material de Construção (0,4%) e Atacado de produtos alimentícios, bebidas e fumo (16,1%).