Vale atualiza projeções para divisão de metais e transição energética

94

São Paulo – A Vale estimou aumento de sua produção de cobre e níquel em 2026 em relação ao estimado anteriormente considerando ganhos após uma revisão de ativos, conforme fato relevante divulgado pela mineradora nesta quinta-feira.

Segundo a mineradora, a produção de cobre pode atingir 394.000 a 431.000 toneladas, 5% acima do baseline de 2026, e a de níquel, de 209.000 a 231.000 toneladas, 10% acima do baseline, considerando a implementação de iniciativas de revisão de ativos, com dispêndios totais de 800 milhões de dólares (capacidade run rate e confiabilidade em Sudbury e Salobo) e 30% de aumento da produtividade em Sudbury.

Em fato relevante para atualizar estimativas para sua divisão de metais de transição energética, a mineradora também estimou 10% de redução de custos all-in, frente ao baseline, tanto para o cobre, na faixa de US$ 3.500-4.000 por toneladas, quanto para o níquel, de US$ 11.500-13.500 por toneladas.

A revisão dos dispêndios totais da Vale estimados para os próximos três anos com os ativos de Metais de Transição Energética é de R$ 650 milhões em capacidade de ‘run rate’ e confiabilidade; US$ 150 milhões em Sudbury e Salobo; e US$ 350 milhões em exploração e desenvolvimento de projetos. Os valores, em termos reais, incluem custos, despesas e investimentos de capital. Cerca de 50% estão relacionados com capex e 50% com custos não recorrentes e despesas.

A Vale também revisou o ebitda incremental estimado, dispêndios totais e criação de valor adicional da divisão de Metais de Transição Energética. Os ganhos totais com ebitda até 2026 devem chegar a US$ 400 milhões, com potencial de entrega de ativos até 2028 de US$ 1,3 bilhões. Os valores consideram a implementação das iniciativas de revisão de ativos, preços de níquel de $18.000/t e de cobre de $8.500/t; desconto TC/RC no cobre de US$ 500/t do cobre pagável. Para cada US$ 1.000/t de variação no preço do níquel, EBITDA varia em ~US$ 40 milhões; para cada US$ 1,000/t de variação no preço do cobre, EBITDA varia em ~US$ 100 milhões.

O gasto total até 2026, deve chegar a US$ 800 milhões, com potencial de entrega de ativos de US$ 3,3 bilhões, incluindo capex e custos não recorrentes.

E a criação de valor estimada é de US$ 2 bilhões nos próximos dois anos, com US$ 6 bilhões em potencial de ativos entregues até 2028.

No entanto, o guidance atual de capex para a Vale permanece inalterado conforme guidance da Vale fornecido em 5 de dezembro de 2023, no último Vale Day 2023.

Vale mantém guidance de produção após incêndio na planta de Salobo 3

Na última segunda-feira (17), um incêndio atingiu parcialmente a correia transportadora da usina Salobo 3 da Vale, no município de Marabá (PA), que terminou sendo debelado pelas equipes de emergência, sem vítimas e sem danos ambientais. Após análise preliminar, a Vale informou nesta quarta-feira (19) que não identificou elementos que impliquem alteração de seu guidance de produção de cobre para 2024, que permanece, portanto, em 320-355 kt.

“Em complemento, a Vale ressalta que não há previsão de impacto nas vendas de cobre no 2T24, e que as usinas de Salobo 1 e 2 seguem operando normalmente. que a companhia continua conduzindo análises quanto às causas do incidente na planta de Salobo 3, enquanto o plano para a retomada operacional está em andamento”, disse a empresa, em fato relevante. A companhia acrescentou que continua conduzindo análises quanto às causas do incidente na planta de Salobo 3, enquanto o plano para a retomada operacional está em andamento e disse que manterá o mercado informado sobre eventuais desdobramentos materiais do incidente.