Resultados da Usiminas têm recepção mista e ação despenca

123

São Paulo – A ação da Usiminas apresenta forte queda, com análises mistas do mercado dos resultados apresentados pela companhia nesta sexta-feira (11/2). Perto do fechamento da B3, por volta das 17h55 (horário de Brasília), o papel USIM5 recuava 7,38%, para R$ 15,54, figurando entre as maiores perdas do pregão.
A Usiminas reportou seus resultados trimestrais em linha com o consenso do mercado, mas mostrando uma tendência de queda nas margens. Esta é a avaliação da XP após o anúncio dos resultados do quarto trimestre de 2021 da empresa de siderurgia.
Em sua análise, a XP aponta os principais gargalos que os investidores devem ficar atentos antes de investir. São eles: menores volumes na siderurgia, maior custo caixa por tonelada de aço em razão da menor alavancagem operacional e, por fim, maiores custos de carvão e maiores volumes de minério de ferro com baixos preços realizados.
A XP termina a análise destacando uma margem ebitda recorrente historicamente alta para a Usiminas (22,8%) e a alta no custo caixa na siderurgia, que deve continuar pressionando as margens no primeiro trimestre de 2022. Diante dos desafios, a corretora faz uma recomendação neutra (preço-alvo de R$15,5/ação).
Para a Ativa Investimentos, a menor força do mercado siderúrgico doméstico e menores preços de minério de ferro pesaram nos resultados do balanço do último trimestre de 2021 da Usiminas.
“Diante de uma melhora em seu resultado financeiro, seu lucro líquido registrado superou nossas expectativas. Ficamos, no entanto, com uma impressão negativa dos números operacionais registrados e esperamos uma reação negativa por parte do mercado”, relataram os analistas da Ativa.
Segundo a corretora, embora o 4 trimestre seja sazonalmente mais fraco, a companhia trouxe números abaixo da expectativa. As exportações minimizaram o menor desempenho do mercado doméstico e a produção de aço bruto total em Ipatinga registrou queda de 27%. Nas vendas totais, os números consolidados atingidos pelo segmento foram 10.5% inferiores aos registrados no terceiro trimestre de 2021.
Por fim, a Ativa afirma que a leitura negativa do resultado deve ser pontual e não estendida para os próximos balanços. “Em siderurgia, a companhia poderá promover repasses de preços tanto na distribuição, como na indústria e no setor automotivo, que em abril, observará o resultado das negociações com 80% das montadoras que atende. Já na mineração, apesar das chuvas no primeiro trimestre de 2022, a companhia tem condições de capitalizar a melhora de cenário que vem ocorrendo de maneira mais rápida que o esperado.”
DIVIDENDOS
O conselho de administração da Usiminas aprovou a proposta de sua diretoria de destinar R$ 2,15 bilhões em dividendos de 2021, correspondentes a R$ 1,678073374 por ação ordinária e R$ 1,845880712 por ação preferencial, no dia 27 de junho aos acionistas
detentores de ações na data da realização da assembleia ordinária, prevista para o dia 28 de abril. A proposta será votada nesta reunião.
PROJEÇÕES 
A companhia anunciou suas projeções de investimentos, despesas financeiras líquidas e volumes de vendas de minério de ferro da sua unidade de mineração para o ano e acerca dos volumes de vendas de aço em siderurgia para o primeiro trimestre de 2022. No período, a companhia tem a meta de vender entre 1,1-1,2 milhão em aço.
Em 2022, a Usiminas estima investir R$2,050 bilhões, sendo R$ 1,650 bilhão da unidade de siderurgia, R$ 350 milhões em mineração e R$ 50 milhões em transformação. A reforma do alto-forno 3 receberá R$ 650 milhões. O volume estimado para as vendas de minério de ferro em 2022, por sua vez, é de uma faixa entre 8,5-9,0 milhões de toneladas.
Neste trimestre, a empresa prevê chegar a R$ 150 milhões em despesas financeiras líquidas.