Trump aprova acordo de aplicativo chinês TikTok com Oracle e Walmart

185
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Foto: Divulgação/ Casa Branca

São Paulo – O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse no final de semana que aprovou um “acordo em princípio” no qual as empresas norte-americanas Oracle e Walmart serão parceiras do aplicativo de compartilhamento de vídeos chinês TikTok, permitindo que o software continue a operar no país.

“Posso dizer que dei minha bênção ao negócio. Se eles conseguirem, isso é ótimo. Se não, tudo bem também. Mas é um ótimo negócio para os Estados Unidos e muito interessante”, disse Trump a repórteres no sábado na Casa Branca, antes de partir para a Carolina do Norte.

“Eu aprovei o acordo em conceito, sim”, acrescentou. O presidente disse que Oracle e Walmart são grandes empresas norte-americanas e que em um acordo com elas “a segurança será de 100%. Eles usarão nuvens separadas e uma segurança muito, muito poderosa”, disse.

“Eles vão contratar pelo menos 25 mil pessoas. Provavelmente será incorporado no Texas. Será uma empresa totalmente nova. Não terá nada a ver com nenhuma terra externa, nenhum país externo. Não terá nada a ver com a China. Será totalmente seguro”, disse.

Trump destacou ainda que a empresa continuará a se chamar TikTok, como sempre foi, e que bilhões de dólares em impostos serão pagos todos os anos. Eles também farão uma contribuição de cerca de US$ 5 bilhões para um fundo de educação.

Após o anúncio de Trump, a Oracle disse em comunicado que terá uma participação de 12,5% na TikTok Global e que “foi escolhida para se tornar o provedor de tecnologia de nuvem segura da TikTok”.

Em uma nota separada, o Walmart disse que “embora ainda haja trabalho a fazer nos acordos finais, concordamos provisoriamente em comprar 7,5% da TikTok Global, bem como celebrar acordos comerciais para fornecer nosso comércio eletrônico, atendimento, pagamentos e outros serviços omnicanal para a TikTok Global”.

Desta forma, a ByteDance, controladora da TikTok com sede em Pequim, manteria os 80% restantes do aplicativo. A empresa, porém, possui investidores nos Estados Unidos, como a Sequoia Capital, General Atlantic e Coatue Management.

A TikTok, em comunicado, disse que “estamos satisfeitos que a proposta da TikTok, Oracle e Walmart vai resolver as preocupações de segurança da administração dos Estados Unidos e resolver questões em torno do futuro da TikTok nos Estados Unidos”. O acordo ainda precisa ser aprovado pelo governo chinês.

O governo dos Estados Unidos havia dito que os aplicativos chineses TikTok e WeChat ficariam proibidos de serem disponibilizados em todas as lojas de aplicativos do país a partir de 20 de setembro, visando a proteger a “segurança nacional”.

Ontem, porém, o Departamento de Comércio norte-americano anunciou que “à luz dos recentes acontecimentos positivos” iria adiar a proibição até 27 de setembro, no próximo domingo.

A medida cumpre o decreto assinado por Trump em 6 de agosto, que dava às empresas chinesas o prazo de 45 dias para vender suas operações nos Estados Unidos à uma empresa norte-americana, citando a suspeita de que elas roubam dados de cidadãos norte-americanas e os repassa para o governo chinês. A empresa e Pequim negam as acusações.