Serviços avançam 1,7% em março ante fevereiro; Previsão era de 0,40%

Foto: ThisIsEngineering / Pexels

São Paulo – A receita real de serviços, que se refere à evolução do volume da atividade no setor em termos reais, descontada a inflação (deflacionado), avançou 1,7% em março ante fevereiro, segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado ficou sensivelmente acima das expectativas do mercado financeiro, de +0,40%, conforme o Termômetro CMA.

Já em relação a março de 2022, o volume de serviços avançou 11,4%. O resultado também ficou consideravelmente acima das expectativas do mercado financeiro, de 8,1%, conforme o Termômetro CMA. De acordo com o IBGE, trata-se da décima terceira taxa positiva seguida.

Com isso, o setor acumula alta de 12 meses, até março, de 13,6% ante 13,0% em fevereiro, e encontra-se 7,2%% acima do nível observado em fevereiro de 2020 (pré-pandemia).

Na passagem de fevereiro para março, todas as cinco atividades pesquisadas registraram alta: Transportes (2,7%), serviços de informação e comunicação (1,7%), serviços adicionais, administrativos e complementares (1,5%), serviços prestados às famílias (2,4%) e outros serviços (1,6%)

De acordo com o gerente da pesquisa do IBGE, Rodrigo Lobo, ” dentre os setores que mais influenciaram a alta dessa atividade está o rodoviário de cargas, especialmente o vinculado ao comércio eletrônico e ao agronegócio. É a principal modalidade de transporte de carga pelas cidades brasileiras e seu uso ficou ainda mais acentuado após os meses mais cruciais da pandemia”.