Rússia e Arábia Saudita pedem para membros da Opep se juntar aos cortes na produção de petróleo

119
O presidente russo, Vladimir Putin, se encontra com o príncipe saudita Mohammed bin Salman, na Arábia Saudita | Foto: Spútnik

O pedido feito pela Arábia Saudita e Rússia, dois dos maiores produtores de petróleo do mundo, fizeram um apelo aos membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) para aderir ao corte na produção da commodity, ‘para o bem da economia global’.

No campo da energia, os dois lados elogiaram a estreita cooperação entre eles e os esforços bem-sucedidos dos países da Opep+ no reforço da estabilidade dos mercados petrolíferos globais, afirmou o comunicado conjunto dos dois países divulgado pelo Kremlin.

O documento foi divulgado depois da visita do presidente russo, Vladimir Putin, à Arábia Saudita, e ter conversado com o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman.

Na reunião que aconteceu com os membros do cartel na semana anterior, foi acordado um corte na produção de 2,2 milhões de barris de petróleo por dia (bpd), liderados pela Arábia Saudita, e de 1,3 milhão de bpd da Rússia.

Eles enfatizaram a importância de continuar esta cooperação e a necessidade de todos os países participantes aderirem ao acordo Opep+, de uma forma que sirva os interesses dos produtores e consumidores e apoie o crescimento da economia global, diz o comunicado, que foi em russo, acrescentou.

A agência de notícias estatal saudita SPA disse que o príncipe herdeiro e Putin sublinharam na sua reunião a necessidade de os membros da OPEP+ se comprometerem com o acordo do grupo.

Fontes do mercado petrolífero disseram que uma observação pública tão explícita do Kremlin e do reino sobre a “união” dos cortes parecia uma sugestão dirigida a potências petrolíferas específicas.

Nesta quinta-feira (7), Putin terá um encontro com o presidente iraniano, Ebrahim Raisi, que acontecerá em Moscou.