RADAR DO DIA: Setor privado da zona do euro e Petrobras

Foto: Pascal Thauvin / freeimages.com

São Paulo – A divulgação de dados mostrando que a atividade do setor privado da zona do euro cresceu no maior ritmo em pouco mais de três anos ajuda a impulsionar as bolsas no exterior, servindo como argumento para a ala do mercado inclinada a apostar numa rápida recuperação da economia conforme avança a vacinação contra a covid-19.

Apesar disso, a mesma pesquisa, divulgada pelo IHS Markit, mostrou que as fábricas da região continuam com dificuldade para obter insumos e que as prestadoras de serviço estão restabelecendo as operações muito lentamente. A escassez de produção das empresas em relação à demanda é a maior em 23 anos – o que pode atrapalhar a recuperação econômica e fortalecer a inflação, fator que ultimamente tem empurrado para baixo o preço de ações.

No Brasil, o governo federal publica o relatório bimestral sobre as receitas e despesas primárias, e o secretário da Fazenda, Bruno Funchal, fala sobre o assunto às 14h.

Em âmbito corporativo, a Rumo assinou com a União, através da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), termo aditivo ao contrato de concessão da Rumo Malha Oeste.

A Petrobras anunciou a estimativa de acréscimo de R$ 4,4 bilhões, antes dos efeitos fiscais, em valores a serem recuperados de outubro de 2001 a junho de 2020, em decorrência da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), publicada no dia 14 de maio, que definiu que o valor do ICMS a ser excluído da base de cálculo do PIS e da Cofins é o destacado na nota fiscal.

O conselho de administração da Lojas Renner aprovou os exercícios de outorgas de opções de compra de ações, na quantidade de 330.253 ações ordinárias, com pagamento à vista e em moeda corrente nacional, e o aumento de capital social da companhia, em razão destas transações, no valor de R$ 7,712 milhões.

O conselho de administração da TIM aprovou emissão de debêntures, em série única, no valor de R$ 1,6 bilhão, sendo 1,6 milhão no valor de R$ 1 mil, em 15 de junho.

O conselho de administração da Eneva aprovou o aumento de capital da empresa no valor de R$ 12,71 milhões, mediante a emissão de 784.115 ações ordinárias, ao preço de emissão de R$ 16,2150 por ação.

O conselho de administração da Usiminas aprovou a postergação da reforma por dez meses do alto-forno 3 da Usina de Ipatinga devido à continuidade da pandemia de covid-19 e seus efeitos, e em função do desempenho operacional estável do equipamento, que continuará operando normalmente até meados de 2023. O valor previsto para a reforma do alto-forno foi revisto para R$ 2,09 bilhões. O órgão também aprovou o pagamento de R$ 5,8 milhões em de dividendos complementares, no dia 7 de junho, aos acionistas com posição em 25 de maio.

A Equatorial Energia enviou à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) a proposta de aumento do seu capital social, no de R$ 1,164 bilhão, e alteração do estatuto social da companhia para refletir a alteração, em caso de aprovação, a serem votadas na assembleia geral extraordinária convocada para o dia 28 de maio.

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) classificou a proposta de aquisição da Unidas pela Localiza como “complexa” e sugeriu aprofundar a análise do caso, por considerar que a fusão pode envolver uma concentração excessiva nos mercados de locação de veículos e gestão de frotas.