RADAR DO DIA: Irã x Israel; Livro Bege do Fed; IBC-Br; PLDO 2025

166
Bandeira de Israel. Foto: Pixabay

São Paulo, SP – Os índices futuros americanos e as bolsas europeias abriram em alta. A semana começa ainda com o impacto do conflito no Oriente Médio e a ofensiva do Irã em
Israel. Para Stephen Innes, sócio-diretor da SPI Asset Management, a reação do mercado ao ataque com drones do Irã em Israel depende da visão que os investidores adotarem. Eles devem vê-lo como um evento único e isolado ou percebê-lo como o precursor de um conflito mais significativo? “A resposta a esta pergunta determinará o sentimento do mercado e os preços dos ativos nos próximos dias”, ponderou Innes.

Além de monitorar a tensão no Oriente Médio, o mercado também fica de olho na divulgação do Livro Bege do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), sobre as condições econômicas das 12 principais regiões do país, e do Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), considerado uma prévia do Produto Interno Bruto no Brasil, ambos na quarta-feira (17).

Nos Estados Unidos, após os números do JP Morgan Chase, Citigroup, BlackRock e Wells Fargo, hoje foi a vez da divulgação do balanço do primeiro trimestre de 2024 do Goldman Sachs, com lucro líquido de US$ 4,132 bilhões, alta de 27,77% na comparação anual, e receita líquida de US$ 14,213 bilhões, alta de 16,26%. A semana também trará os dados do Morgan Stanley e Johnson & Johsons.

Sobre o Livro Bege, analistas esperam conseguir mais detalhes de como anda a economia dos EUA. Na semana passada, após o Índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) ter subido acima do esperado, levando a inflação do país para 3,5% em março, acima do índice de fevereiro, que chegou a 3,2%, o mau humor do mercado foi generalizado. Agora, a expectativa é que o Fed deve fazer dois cortes nos juros em 2024, com o primeiro acontecendo no início do terceiro trimestre.

A ferramenta CME FedWatch, que monitora a probabilidade de alterações nas taxas do Comitê Federal de Política Monetária (Fomc, na sigla em inglês), apontou que a probabilidade de manutenção das taxas de juros na reunião de junho no atual patamar – de 5,25% e 5,5% – caiu para 81,48%. Na quarta-feira (10), logo depois da divulgação do CPI, essa probabilidade chegou a 100%, mas encerrou o dia a 83,46%. Já as projeções para o corte de juros na reunião de junho subiram de 16,08% para 17,71%.

Por aqui, o mercado espera os números do IBC-Br de fevereiro. Em janeiro, ele subiu 0,60% em relação a dezembro, indo a 148,50 pontos. Nos dados sem ajuste sazonal, o IBC-Br atingiu 140,51 pontos, ganho de 3,45% na comparação com o mesmo mês de 2023. O indicador subiu 2,37% no trimestre na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior. Na comparação com o trimestre imediatamente anterior, houve um aumento de 0,90%. No acumulado em 12 meses, a elevação é de 2,47%.

Em Brasília , na manhã de hoje, o secretário executivo do Ministério do Planejamento e
Orçamento (MPO), Gustavo Guimarães, o secretário de Orçamento Federal, Paulo Bijos, o
secretário do Tesouro Nacional, Rogério Ceron, e o secretário da Receita Federal do Brasil,
Robinson Barreirinhas, darão entrevista coletiva para apresentar o Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) de 2025.

No setor corporativo, a Eztec divulgou sua prévia operacional do primeiro trimestre de 2024, com vendas líquidas de R$ 299,6 milhões, 19,6% inferior ao registrado no mesmo período de 2023, e alta de 45,5% em relação ao último trimestre do ano passado.

A JBS informou que vai duplicar a capacidade de processamento e a força de trabalho de sua unidade Campo Grande II, em Mato Grosso do Sul, o que vai torná-la a maior planta de carne bovina de toda a América Latina e uma das três maiores da JBS no mundo. A companhia vai investir R$ 150 milhões para permitir que, daqui um ano, o volume processado diariamente na fábrica passe de 2.200 para 4.400 animais, enquanto a quantidade de colaboradores vai saltar de 2.300 para 4.600.

Citada no em um relatório produzido pela ONG Earthsight, intitulado “Fashion Crimes” (Crimes na Moda), divulgado em 11 de abril e repercutido pela imprensa nacional e internacional, a SLC Agrícola divulgou nota se posicionando sobre as citações que o relatório faz sobre a empresa.

O Grupo Casas Bahia S.A. informou que reapresentou no Sistema Empresas.Net o Boletim de Voto a Distância para a Assembleia Geral Ordinária (AGO) marcada para 30 de abril de 2024.

A Fitch Ratings confirmou os Ratings de Inadimplência do Emissor (IDRs) de Longo Prazo em Moedas Estrangeira e Local da Klabin S.A. em ‘BB+’ e o Rating Nacional de Longo Prazo em ‘AAA(bra)’, com perspectiva estável.

O preço médio do etanol subiu na segunda semana de abril no varejo brasileiro. Segundo levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o preço médio do etanol ao consumidor ficou em R$ 3,74 o litro na semana de 7 a 13 de abril, ante R$ 3,65 entre 31 de março e 6 de abril, alta de 2,46%. O estado do Amapá teve o etanol mais caro na média do País, a R$ 4,94 por litro. O preço máximo de revenda entre os estados brasileiros para o etanol foi verificado no Rio Grande do Sul, a R$ 5,99 o litro.