Procura por novas residências na China deve cair 50% na próxima década, diz FMI

74
China tem risco de queda na procura por novas residências | Foto: Ewan Yap/ Unsplash

O setor imobiliário da China está atualmente gerenciando uma desaceleração de médio prazo, com esforços concentrados na redução de tamanho e tornando a indústria mais sustentável. A limpeza acelerada de desenvolvedores em dificuldades e várias políticas visam facilitar uma transição mais suave para um papel menor na economia. As informações são de um estudo feito pelo FMI e divulgado hoje (2).

O setor imobiliário desempenhou um papel crucial no crescimento econômico da China, representando até 20% da atividade total. “No entanto, essa dependência resultou em riscos significativos, incluindo preços de moradias esticados em relação à renda e empréstimos rápidos por parte dos desenvolvedores imobiliários. As autoridades responderam tomando medidas para conter os riscos e fazer a transição do setor para um tamanho mais sustentável”, diz um trecho do estudo.

A atual queda no mercado imobiliário, agora em seu terceiro ano, tem visto um progresso rápido na redução de tamanho. O início de construções residenciais diminuiu mais de 60% em relação aos níveis pré-pandêmicos, indicando uma contração substancial na atividade imobiliária. No entanto, vulnerabilidades-chave permanecem não abordadas, apresentando riscos contínuos à sustentabilidade.

“Algumas empresas evitaram a falência devido a regras que permitem aos credores adiar o reconhecimento de empréstimos ruins. Isso amenizou os efeitos nos preços imobiliários e nos balanços bancários. Os preços das casas diminuíram modestamente, em parte devido aos esforços de algumas cidades para limitar as quedas por meio de regras de preços e orientações”, continua o relatório.

Fatores estruturais, como mudanças demográficas, exercerão pressão adicional sobre o mercado imobiliário chinês nos próximos anos. A diminuição da população e a desaceleração da urbanização reduzirão a necessidade de novas habitações. Subsídios públicos que facilitaram a transição habitacional na década passada são menos viáveis devido às finanças mais restritas dos governos locais.

“Diante dessas pressões, é projetada uma queda adicional nos investimentos em habitação, que provavelmente permanecerá contida. Cenários baseados na demanda fundamental, excesso de estoques e pressões do lado da oferta sugerem uma possível redução de 30 a 60% nos investimentos imobiliários em relação aos níveis de 2022”.

Gastos com habitação acessível e reurbanização urbana planejados para o ano atual podem ajudar a compensar parte da queda nos investimentos, segundo o FMI. No entanto, é improvável que reduza suficientemente os estoques habitacionais mantidos por construtoras em problemas.

Para o FMI, uma transição mais suave é alcançável permitindo mais ajustes baseados no mercado nos preços das casas e reestruturando rapidamente os desenvolvedores insolventes. A eliminação gradual das regras que permitem aos bancos evitar o reconhecimento de empréstimos ruins, o apoio a desenvolvedores viáveis e a implementação de regras mais rígidas para prevenir futuras acumulações de riscos são cruciais.

“Segurar compradores contra falhas das empresas e introduzir um imposto sobre propriedades em todo o país pode restaurar a confiança. Reformas fiscais que corrijam o descompasso estrutural entre receitas e obrigações de gastos dos governos locais também serão necessárias para reduzir a dependência de vendas de terras e atividades imobiliárias”, conclui o documento.