Previsão de alta do PIB da Alemanha este ano é revisada de 3,7% para 2,4%

Foto: Priit Kallas / freeimages.com

São Paulo – O Produto Interno Bruto (PIB) da Alemanha deve crescer 2,4% em 2021, uma revisão para baixo ante as estimativas anteriores de avanço de 3,7%, de acordo com previsões conjuntas publicadas pelo Instituto Ifo, DIW Berlin, IfW Kiel, IWH e RWI. Para 2022, a projeção foi revisada para cima, de 3,9% para 4,8%.

“A situação econômica na Alemanha continua marcada pela pandemia do coronavírus. Em curto prazo, não se espera um retorno completo ao normal em atividades intensivas em contato. Além disso, gargalos de fornecimento estão prejudicando o setor manufatureiro por enquanto”, diz a pesquisa.

Segundo os institutos, os próximos trimestres serão caracterizados por um novo processo de recuperação econômica. “É provável que o consumo privado volte ao normal ao longo do próximo ano, à medida que as taxas de infecção diminuem, mesmo que o ritmo de crescimento deva diminuir mais uma vez durante o semestre de inverno”.

Já a produção no setor industrial também deve aumentar à medida que os gargalos de oferta diminuem, permitindo uma atividade de investimento corporativo mais forte. Assim, “ao longo de 2022, a economia alemã deve retornar ao normal uso da capacidade instalada”.

Com relação aos riscos, continuam havendo a possibilidade de que novas variantes de vírus voltem a exigir medidas de controle de infecção mais rigorosas. “As consequências financeiras da pandemia também são incertas. Resta saber como a solvência das empresas se desenvolverá quando os programas de crédito do governo e a moratória da dívida expirarem”.

As consequências dos problemas financeiros de grandes conglomerados chineses também não são claras no momento, segundo os institutos. “Outro fator de incerteza para a economia é a poupança acumulada pelas famílias durante a crise”. Se essas forem usadas para recuperar gastos, pode haver aceleração da inflação.

“O atual nível de inflação não é apenas o resultado de gargalos temporários nas cadeias de suprimentos e custos mais altos de energia. Em vez disso, gargalos no mercado de trabalho já estão surgindo, o que pode levar a aumentos salariais mais fortes do que o previsto nesta projeção”, alerta a pesquisa.

As projeções econômicas conjuntas, divulgadas duas vezes por ano, funcionam como um ponto de referência para as previsões feitas pelo governo federal alemão. Trata-se de um projeto conjunto conduzido por vários institutos de pesquisas econômicas.