Presidente do Fed de Chicago minimiza inflação e defende estímulos

O presidente da unidade do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) de Chicago, Charles Evans / Foto: Fed Chicago

São Paulo – O presidente da unidade do Federal Reserve (Fed) de Chicago, Charles Evans, juntou-se à lista de membros do banco central norte-americano que minimizaram as preocupações relacionadas à aceleração da inflação nos Estados Unidos e que defendem a política acomodatícia em curso.

“A recente aceleração da inflação não parece ser o precursor de um movimento persistente para níveis indesejáveis ​​de preços”, disse ele em texto de um discurso. “Não vi nada ainda que me persuadisse a mudar meu total apoio à nossa postura acomodatícia em relação à política monetária ou à nossa orientação futura sobre o caminho da política”, acrescentou.

Evans, que tem direito a voto este ano, disse que um dos principais fatores que impulsionam a inflação é o que o público e os mercados acreditam que as pressões sobre os preços farão no futuro.

“Mesmo com as acelerações nas últimas semanas, as medidas de pesquisa e compensação de inflação fixadas nos juros do Tesouro ao longo do horizonte de cinco a dez anos estão apenas de volta ao que eram em 2013, o que certamente não são níveis sugerindo que a inflação está saindo de controle”, afirmou ele.

Ontem, a presidente do Fed de Kansas City, Esther George, disse que, com uma incerteza considerável em torno das perspectivas e do processo de recuperação, o banco central precisa estar preparado para mudar sua postura de política dependendo do desempenho da economia. Este ano, ela não tem direito a voto.

“Embora esteja claro que vários fatores temporários estão impulsionando a inflação agora, não estou inclinada a descartar os sinais de preços de hoje ou a depender excessivamente das relações históricas e da dinâmica em a julgar as perspectivas para a inflação”, afirmou.

Desde março do ano passado, o Fed vem mantendo a taxa de juros próxima de zero e realizando compras de ativos, hoje em US$ 120 bilhões ao mês. A próxima reunião de política monetária acontece em 15 e 16 de junho.