Prejuízo da Americanas nos 3 primeiros trimestres de 2023 recua 23,5%

253

São Paulo, SP – A Americanas, em recuperação judicial, informou que teve prejuízo líquido de R$ 4,61 bilhões nos nove primeiros meses de 2023, queda de 23,5% em relação ao prejuízo líquido de R$ 6,02 bilhões registrado no mesmo período de 2022. No terceiro trimestre, o prejuízo foi de R$ 1,621 bilhão, queda de 17,8% na comparação com o mesmo período de 2022.

A companhia afirmou que a o resultado é reflexo da forte queda nas vendas, principalmente na plataforma digital e por altas despesas financeiras, cuja contabilização “se faz necessária até o momento da homologação do Plano de Recuperação Judicial e novação das dívidas da Americanas, mas já parcialmente amenizada pelos primeiros resultados da nova estratégia da companhia.

O lucro antes juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) foi de R$ 1,55 bilhão nos três primeiros trimestres de 2023, alta de 21,3% na comparação com o mesmo período de 2022. Já a dívida líquida avançou 10,6% nos três primeiros trimestre de 2023, chegando a R$ 33,4 bilhões.

Segundo a companhia, o resultado inferior do ebitda nos três primeiros trimestres de 2023 é resultado das despesas referentes ao processo de Recuperação Judicial e as despesas com as Investigações lideradas pelo Comitê Independente. O Ebitda de 2023 também está impactado por custos relacionados a fechamento de lojas, rescisões, entre outros gastos não recorrentes, que não foram ajustados.

A receita líquida consolidada atingiu R$ 10,3 bilhões nos três primeiros trimestres de 2023, queda de 45,1% na comparação anual , acompanhando o desempenho do GMV, com o varejo físico apresentando a maior representatividade (66,8% do total ex-eliminações) e o digital apresentando a maior queda no ano contra ano, de 79,2%. No terceiro trimestre, a receita líquida foi de R$ 3,261 bilhões, queda de 39,2% na comparação com o terceiro trimestre de 2022.

O resultado financeiro consolidado nos três primeiros trimestres de 2023 foi negativo em R$ 2,2 bilhões, o que representa uma melhora de 45,7% quando comparado aos R$ 4 bilhões negativos do mesmo período de 2022. Esse desempenho é reflexo do desmonte das operações de swap ocorrido no primeiro trimestre de 2023, que gerou uma receita financeira para a Companhia.

“Hoje já podemos dizer que superamos a fase mais crítica pela qual a Americanas passou. Finalizamos o ano de 2023 com o Plano de Recuperação Judicial aprovado em Assembleia Geral de Credores (AGC) por mais de 97% dos créditos em valores e mais de 91% em quantidade de credores, e esperamos que a homologação seja realizada nos próximos dias. Foram 11 meses de trabalho conjunto da companhia e seus assessores jurídicos com os credores de diversas classes e aos acionistas de referência para chegarmos a um desenho de plano que atendesse aos interesses do maior número possível de envolvidos e resultasse em uma estrutura de capital saudável para que pudéssemos voltar a gerar resultados”, explicou a companhia em seu balanço

O GMV Total foi de R$ 16,1 bilhões nos três primeiros trimestres de 2023, queda de 51,1% na comparação com os três primeiros trimestres de 2022. Durante esse período, o GMV da plataforma física foi de R$ 9,3 bilhões, queda de 4,4% em comparação ao mesmo período do ano anterior.

No digital, o GMV total nos três primeiros trimestres de 2023, ficou em R$ 4,8 bilhões, uma queda de 77,1% comparado com o mesmo período do ano anterior, com o 1P e o 3P caindo 86,0% e 70,8%, respectivamente

Nos três primeiros trimestres de 2023, as vendas brutas no conceito “mesmas lojas” caíram 2,9%, mas apontando melhora ao longo dos trimestres e atingindo crescimento de 3,6% no terceiro trimestre de 2023.

A companhia concluiu o ano de 2022 com um patrimônio líquido negativo de R$ 26,7 bilhões, fruto tanto de um resultado operacional negativo, como dos ajustes extraordinários que impactaram o balanço. O prejuízo acumulado nos três primeiros trimestres de 2023 impactou adicionalmente o patrimônio líquido, que fechou período em R$ 31,2 bilhões negativo.