Número de imóveis vendidos na cidade de SP cresce 26,9% em outubro, base anual

265
Foto: Diogo Moreira/Governo do Estado de São Paulo

São Paulo, SP – A Pesquisa Secovi-SP do Mercado Imobiliário (PMI), realizada pelo departamento de Economia e Estatística da entidade junto às incorporadoras associadas, apurou a comercialização de 6.973 unidades residenciais novas em outubro na cidade de São Paulo, queda de 6% em comparação a setembro e alta de 26,9% na comparação anual. Em 12 meses (novembro de 2022 a outubro de 2023), as vendas acumulam 75.815
unidades.

O VGV (Valor Global de Vendas) totalizou R$ 4,38 bilhões em outubro e R$ 41,9 bilhões no acumulado de 12 meses valores deflacionados pelo INCC-DI (Índice Nacional de Custo
de Construção), da FGV, referente a outubro de 2023.

O indicador VSO (Vendas Sobre Oferta), que apura a porcentagem de vendas em relação ao total de unidades ofertadas, atingiu 10,2% no décimo mês do ano e 54,9% em 12 meses.

Em outubro, o VGO (Valor Global da Oferta) totalizou R$ 42,7 bilhões valores deflacionados pelo INCC-DI (Indice Nacional de Custo de Construção), da FGV, referente a outubro de 2023.

De acordo com a pesquisa Secovi-SP, foram lançadas na capital paulista 8.003 unidades residenciais em outubro. No acumulado de 12 meses, os lançamentos totalizaram 73.360
unidades.

O mercado imobiliário da cidade de São Paulo encerrou outubro de 2023 com a oferta de 61.452 unidades disponíveis para venda. Esta oferta é composta por imóveis na planta, em construção e prontos (estoque), lançados nos últimos 36 meses (outubro de 2020 a setembro de 2023).

Os imóveis de 2 dormitórios destacaram-se no mês de outubro em todos os indicadores: 53% das unidades lançadas (4.271 unidades), 58% das vendas (4.044 unidades), 56% da oferta (34.310 unidades), 36% do VGV (R$ 1.562,2 milhões), 34% do VGO (R$ 14,5 bilhões) e o maior VSO (10,5%).

Imóveis na faixa de 30 m2 e 45 m2 de área útil lideraram em quase todos os indicadores: 47% dos lançamentos (3.777 unidades), 52% das vendas (3.648 unidades), 48% da oferta (29.388 unidades), 25% do VGV (R$ 1.114,3 milhões) e 22% do VGO (R$ 9,4 bilhões). O maior VSO (11,3%) foi registrado nos imóveis na faixa de 86 m2 e 130 m2.

Os imóveis com valores até R$ 264 mil destacaram-se com participação de 30% nas vendas (2.061 unidades), 27% (16.410 unidades) na oferta e o maior VSO (11,2%). O maior volume em lançamentos foi na faixa de R$ 264 mil a R$ 350 mil, com 32% (2.581 unidades). Já os imóveis com preços acima de R$ 2,1 milhões tiveram o maior VGO 32% (R$ 13,5 bilhões) e o maior VGV com 29% (R$ 1.249,2milhões).

A partir de julho de 2023, foi atualizada a faixa de preços dos imóveis do programa Minha Casa, Minha Vida (MCMV), alterando o limite de R$ 264 mil para R$ 350 mil na cidade de São Paulo. Para segmentar os imóveis econômicos, o Secovi-SP elegeu as faixas de preço enquadradas nos parâmetros do MCMV.

Em outubro, 42% das unidades vendidas e 44% das unidades lançadas foram enquadradas como econômicas, correspondendo, em termos absolutos, a 2.934 unidades vendidas e 3.511 unidades lançadas. A oferta disponível para a venda deste tipo de imóvel somou 21.556 unidades (35%), com VSO de 12,0%.

Os outros mercados registraram 4.492 unidades lançadas, 4.039 unidades vendidas, oferta final de 39.896 unidades e VSO de 9,2%.

A Zona Sul liderou em lançamentos, 38% (3.015 unidades), oferta final, com 33% (20.476 unidades), e VGO de 40% (R$ 17,0 bilhões). A zona Oeste foi destaque em vendas, com 28% (1.960 unidades), e VGV de 44% (R$ 1.909,8 milhões). O Centro teve o maior VSO (14,6%).