Novos empréstimos batem recorde em janeiro na China, depois de estímulos do governo

53
Empréstimos batem recorde na China | Foto: Bernd Dittrich/Unsplash

Os empréstimos bancários na China atingiram uma alta recorde em janeiro, superando as expectativas, à medida que o banco central intensificou os esforços para sustentar a economia em dificuldades, alimentando as esperanças de mais estímulos nos próximos meses.

Diante de uma recuperação pós-Covid mais fraca do que o esperado e desafios como uma crise imobiliária e uma queda prolongada no mercado de ações, as autoridades prometeram implementar medidas adicionais de apoio.

Os bancos chineses tradicionalmente adiantam empréstimos no início do ano para atrair clientes de alta qualidade e aumentar sua participação de mercado.

De acordo com dados do Banco Popular da China (PBoC), os novos empréstimos em yuan atingiram 4,92 trilhões de iuanes (US$ 683,61 bilhões) em janeiro, marcando um aumento significativo em relação a dezembro e ultrapassando as previsões dos analistas.

Embora o crescimento anual dos empréstimos pendentes em iuanes tenha desacelerado para 10,4% em comparação com o ano anterior, os analistas esperavam uma taxa ainda menor.

A expansão anual do financiamento social total (TSF), uma medida ampla de crédito e liquidez na economia, permaneceu estável em 9,5% em janeiro, refletindo o mesmo patamar observado em dezembro.

Para impulsionar ainda mais a recuperação, o Ministério das Finanças se comprometeu a manter a expansão fiscal, indicando que os gastos públicos serão uma ferramenta chave do governo para estimular o crescimento.

Uma possível aceleração na emissão de títulos do governo poderia contribuir para impulsionar o TSF, que engloba formas de financiamento fora do balanço bancário convencional.

Em janeiro, o TSF aumentou para 6,5 trilhões de iuanes (US$ 903,15 bilhões) em comparação com 1,94 trilhão de iuanes (US$ 269,65 bilhões) em dezembro, superando as expectativas dos analistas.