Novos dados de inflação nos EUA estão “em linha com o que gostaríamos de ver”, diz Powell

110
O presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Jerome Powell. Foto: Divulgação/ Federal Reserve

Novos dados de inflação nos Estados Unidos estão “em linha com o que gostaríamos de ver”, afirmou Jerome Powell, presidente do Federal Reserve, na última sexta-feira (29). Esses comentários parecem manter a posição do banco central em relação a possíveis cortes nas taxas de juros neste ano.

Os números do índice de preços de despesas de consumo pessoal (PCE) de fevereiro, divulgados na sexta-feira, foram descritos por Powell como “esperados”. Embora tenham mostrado uma desaceleração menor do que no ano anterior, ele enfatizou que o Fed não reagiria exageradamente.

Powell observou que os dados do mês passado não foram tão baixos quanto as leituras favoráveis do segundo semestre do ano passado, mas estão mais alinhados com o que o banco central deseja ver. Ele fez esses comentários durante uma entrevista no Fed de São Francisco com Kai Ryssdal, do programa “Marketplace” da rádio pública.

Essas declarações ecoam as observações de Powell após a reunião de política do Fed na semana anterior, onde ele afirmou que a inflação mais alta do que o esperado em janeiro e fevereiro não alterou a perspectiva de que os aumentos de preços continuariam a cair este ano, visando a meta de 2% do banco central.

Os dados do Departamento de Comércio dos Estados Unidos divulgados na sexta-feira mostraram que o índice de preços do PCE aumentou a uma taxa anual de 2,5% em fevereiro, acima dos 2,4% no mês anterior. Excluindo os preços voláteis de alimentos e energia, o índice subiu 0,3% em comparação com o mês anterior, um pouco mais rápido do que Powell havia antecipado, quando afirmou na semana anterior que a inflação subjacente seria “bem abaixo” de 0,3% em fevereiro.

Powell indicou que o último relatório do PCE não afetou a perspectiva de base do banco central, mas enfatizou que, com a economia em uma base “forte”, não há pressa em cortar as taxas.

O presidente do Fed terá outra oportunidade na próxima semana para elaborar sua mensagem sobre as perspectivas da política monetária, com uma segunda aparição pública na área da Baía de São Francisco na Universidade de Stanford, onde fará comentários preparados.

Alguns detalhes dos dados do PCE de fevereiro mostraram melhorias em aspectos da inflação considerados importantes pelo Fed, mesmo que os números gerais mostrem pouco progresso nos primeiros dois meses do ano.

Espera-se que o Fed mantenha as taxas estáveis em sua reunião de política de 30 de abril a 1º de maio, como tem feito desde julho do ano passado.

Até lá, os formuladores de políticas terão recebido relatórios de inflação e empregos para março, bem como a estimativa inicial do crescimento do produto interno bruto para os primeiros três meses do ano.

Embora os dirigentes do Fed tenham sido cuidadosos ao dizer que não dão muito peso aos dados de um único mês, as leituras de março podem ter um peso desproporcional em sua discussão sobre políticas se confirmarem – ou talvez ainda mais se contradisserem – uma desaceleração antecipada de crescimento de empregos e salários e um resfriamento da inflação imobiliária.

Nas últimas semanas, Powell teve que equilibrar as expectativas de cortes nas taxas neste ano com dados que mostram que a melhora nos números da inflação desacelerou no início do ano.

“Precisamos ver mais progresso na inflação antes de cortar as taxas”, disse ele na sexta-feira. “A decisão de começar a reduzir as taxas é muito, muito importante… A economia está forte agora, e o mercado de trabalho está forte agora. E a inflação tem caído. Podemos e teremos cuidado com essa decisão porque podemos.”