Mês de maio de 2024 foi o mais quente já registrado, segundo pesquisa

136

Maio de 2024 foi o mês de maio mais quente já registrado, marcando o 12º mês consecutivo em que a temperatura média global atingiu um valor recorde para o mês correspondente, de acordo com dados do Serviço de Mudança Climática Copernicus (C3S), da União Europeia. Os dados do C3S foram citados pelo Secretário-Geral da ONU em um apelo por ação urgente, à medida que dois novos relatórios detalhando aspectos das mudanças climáticas são publicados.

A temperatura média global para maio de 2024 foi de 0,65ºC acima da média de 19912020 e 1,52ºC acima da média pré-industrial de 18501900, marcando o 11º mês consecutivo (desde julho de 2023) em que a temperatura média global atingiu ou excedeu 1,5ºC acima dos níveis pré-industriais.

Refletindo a sucessão de temperaturas mensais recordes, a temperatura média global dos últimos 12 meses (junho de 2023 a maio de 2024) é a mais alta já registrada, com 0,75ºC acima da média de 19912020 e 1,63ºC acima da média pré-industrial de 18501900, de acordo com os dados do C3S.

“É chocante, mas não surpreendente, que tenhamos alcançado essa sequência de 12 meses. Embora essa sequência de meses de recordes eventualmente seja interrompida, a assinatura geral das mudanças climáticas permanece e não há sinal à vista de uma mudança nessa tendência”, disse o Diretor do C3S, Carlo Buontempo.

Os dados do C3S estão em linha com a última Atualização Climática Global Anual e de Década da Organização Meteorológica Mundial (OMM), que emite um aviso severo de que estamos nos aproximando cada vez mais dos limites estabelecidos no Acordo de Paris sobre mudanças climáticas. Segundo o relatório, a temperatura média global próximo à superfície para cada ano entre 2024 e 2028 é prevista para estar entre 1,1ºC e 1,9ºC acima da linha de base de 18501900.

O relatório, que foi lançado para coincidir com um apelo do Secretário-Geral da ONU, António Guterres, por ações climáticas mais ambiciosas, afirma que há uma probabilidade de 80% de pelo menos um ano entre 2024 e 2028 exceder temporariamente 1,5ºC, e uma probabilidade de 47% de que a temperatura global média ao longo do período de cinco anos de 2024 a 2028 exceda 1,5ºC acima da era pré-industrial.

“Durante o último ano, a cada virada de calendário, o calor aumentou. Nosso planeta está tentando nos dizer algo. Mas parece que não estamos ouvindo. Estamos quebrando recordes de temperatura global e colhendo tempestades. É hora da verdade climática. Agora é o momento de mobilizar, agir e entregar”, disse Guterres.

O relatório anual, agora em sua segunda edição, observa que o aquecimento induzido pelo homem aumentou para 1,19ºC na última década (2014-2023), acima de 1,14ºC no relatório do ano passado. O relatório também observa que o orçamento de carbono restante, referente à quantidade de dióxido de carbono que pode ser emitida antes de nos comprometermos com um aquecimento global de 1,5ºC, é de apenas cerca de 200 gigatoneladas (bilhões de toneladas), o que equivale a cerca de cinco anos de emissões na taxa atual.

“Estamos vivendo em tempos sem precedentes, mas também temos habilidades sem precedentes para monitorar o clima e isso pode ajudar a informar nossas ações. Esta sequência de meses mais quentes será lembrada como comparativamente fria, mas se conseguirmos estabilizar as concentrações de gases de efeito estufa na atmosfera muito em breve, talvez possamos voltar a essas temperaturas “frias” até o final do século”, disse Buontempo.