IPCA-15 sobe abaixo do previsto em dezembro, na maior taxa desde jun/18

243

São Paulo – O Indice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15) subiu 1,06% em dezembro em relação a novembro, acelerando-se em relação à alta apurada no período anterior (+0,81%), segundo dados divulgados pelo IBGE. Com isso, é a maior variação mensal do indicador desde junho de 2018 (+1,11%). O resultado ficou abaixo da mediana das expectativas do mercado financeiro, de +1,15%, conforme o Termômetro CMA.

O IPCA-15 fecha o ano com alta de 4,23%, no maior acumulado no ano desde 2016 (+6,58%). O resultado no período de 12 meses também ficou abaixo da mediana das estimativas, de +4,33%, ainda segundo o Termômetro CMA, ultrapassando o centro da meta perseguido pelo Banco Central para este ano, de 4,00%, pela segunda vez, depois de ficar quatro meses seguidos abaixo do piso do intervalo de tolerância, até agosto.

Segundo o IBGE, entre os nove grupos de produtos e serviços pesquisados, apenas Vestuário (-0,44%) registrou queda no mês. Os demais subiram, sendo que a maior variação (+2,00%) e o maior impacto (+0,42 ponto percentual) vieram do grupo Alimentação e Bebidas, que encerrou o ano com alta acumulada de 14,36%. Habitação (+1,50%) teve a segunda maior variação (impacto de 0,23 pp), enquanto o segundo maior impacto (+0,29 pp) veio de Transportes (+1,43%), que acelerou a alta ante novembro (+1,00%).

Nessas classes de despesa, destaque para as altas em alimentos para consumo no domicílio (+2,57%), com a maior contribuição vindo das carnes (+5,53%), seguida por arroz (+4,96%) e frutas (+3,62%), enquanto a batata-inglesa subiu 17,96% e óleo de soja +7,00%. Em Habitação, o impacto veio da alta da energia elétrica (+4,08%), que passou para bandeira tarifária vermelha patamar 2 após 10 meses de vigência da bandeira verde.

Já no grupo Transportes, a alta foi impulsionada por passagens aéreas, com +28,31% (+0,14 pp), enquanto os combustíveis (+2,40%) aceleraram ante novembro, com destaque para a gasolina (+2,19%) e etanol (+4,08%).

Quanto aos índices regionais, houve aceleração do indicador em todas as 11 regiões pesquisadas em dezembro. O maior índice foi registrado na região metropolitana de Porto Alegre (+1,53%), em meio à alta da energia elétrica e das carnes, enquanto a menor variação ficou com Brasília (+0,65%), em função da queda da gasolina na região. Em São Paulo, o IPCA-15 passou de +0,93% no mês passado para +0,86% neste mês.

O IPCA-15 é calculado com base em famílias com rendimentos de 1 a 40 salários e que vivem nas principais regiões metropolitanas do país, além de Brasília e Goiânia. Para o cálculo do indicador, os preços foram coletados no período de 13 de novembro a 11 de dezembro.