Fitch diz que compra da LafargeHolcim é neutra para crédito da CSN

São Paulo – A agência de classificação de risco Fitch Ratings classificou a compra dos ativos da LafargeHolcim no Brasil pela Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) neutra para a nota de crédito da CSN, considerando os ganhos em diversificação de negócios e no crescimento da relativamente pequena operação negócio de cimento para a companhia, cuja contribuição do ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) deverá aumentar para 6% após as aquisições em 2021, de 3% em 2020, com pequeno pequeno aumento da alavancagem.

A CSN anunciou a aquisição de ativos da HolcimLafarge no Brasil por US$ 1,025 bilhão, por sua controlada CSN Cimentos, que irá adicionar 10,3 milhões de toneladas de capacidade de produção de cimento por ano, elevando o total da CSN para 16,3 milhões de toneladas de cimento por ano. Em julho de 2021, a CSN adquiriu a Elizabeth Cimentos por R$ 1,08 bilhão (aproximadamente US$ 214 milhões) adicionando 1,3 milhão de toneladas de cimento por ano.

“A CSN planeja financiar a aquisição com US$ 500 milhões em empréstimos bancários e os US$ 500 milhões restantes de um oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) da CSN Cimentos. Se as condições de mercado não permitirem uma listagem antes da conclusão da aquisição, a CSN pretende injetar dinheiro em sua unidade de cimento para finalizar o pagamento”, diz a Fitch, em nota.

A Fitch projeta que a transação aumentará a alavancagem líquida para 0,4 vez, supondo que uma injeção de dinheiro em sua subsidiária seja feita durante 2021. A Fitch previa uma relação dívida líquida e ebitda de 0,2 vez ao fim de 2021 sem a transação.

“Isso está bem abaixo da relação dívida líquida/ebitda de 2,0 vezes que, se sustentável, poderia, individualmente ou em conjunto com outros fatores, levar a uma ação de rating positiva. Também está abaixo da meta de alavancagem líquida de 1,0 vez da empresa”, explicou.

A agência lembra que o Cade, autoridade brasileira de defesa da concorrência, tem até 330 dias para avaliar a transação. As plantas adquiridas pela LafargeHolcim estão localizadas nas regiões Sudeste, Nordeste e Centro-Oeste e a aquisição inclui reservas de calcário. O maior mercado da empresa ficará no sudeste do Brasil e terá 32% do market share.

“A capacidade total de produção da CSN Cimentos seria semelhante aos 17,2 milhões de toneladas anuais da Intercement, segunda maior produtora de cimento do Brasil”, destacou.