EUA e UE anunciam plano para reduzir dependência da energia russa

722
bandeira EUA UE
Foto: União Europeia

São Paulo – Os Estados Unidos e a Comissão Europeia para Segurança Energética divulgaram uma declaração em conjunto afirmando que estão empenhadas em reduzir a dependência da Europa da energia da Rússia.
“Nós reafirmamos nosso compromisso único com a segurança e sustentabilidade energética da Europa e para acelerar a transição global para energias limpas”, diz a declaração publicada esta manhã pela Casa Branca.
A medida é parte da resposta do ocidente à invasão da Ucrânia pelos russos, em meio à viagem do presidente norte-americano, Joe Biden, ao continente europeu.
No comunicado, a Casa Branca e a Comissão Europeia informaram que, pelo acordo, trabalhão com parceiros internacionais para ampliar o fornecimento de gás natural liquefeito (GNL) à Europa em pelo menos 15 bilhões de metros cúbicos este ano, com aumentos esperados no futuro com fornecimento de 50 milhões de metros cúbicos por ano até 2030. O documento, no entanto, não especifica quais países proverão a oferta adicional.
“Isso também será feito no entendimento de que os preços devem refletir os fundamentos de mercado de longo prazo e a estabilidade da oferta e da demanda”, ressalta o texto.
Os Estados Unidos também se comprometem em agilizar legislação que permita realizar vendas de gás de forma acelerada quando necessário.
De acordo com a nota, plano será empreendido por um força-tarefa conjunta, presidida por um representante do governo dos Estados Unidos e outro da Comissão Europeia. Terá ainda dois objetivos primários: diversificar a oferta de gás natural liquefeito em alinhamento com os objetivos climáticos e reduzir a demanda pela commodity.