Causa do apagão é rara e técnica, diz ministro de Minas e Energia

971
O ministro das Minas e Energia, Alexandre Silveira | Foto: Tauan Alencar

São Paulo – O ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, disse que o evento que causou o apagão de energia elétrica nesta segunda-feira é “raro”, por que seria necessária a ocorrência de dois eventos similares e concomitantes, já que o sistema é redundante para evitar falhas. O fato que causou a interrupção pode ter causas no Norte do Nordeste, possivelmente no Ceará, possivelmente numa linha de transmissão. O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) minimizou a carga para as regiões Norte e Nordeste, que tiveram queda abrupta do sistema, para evitar interrupções e entregará um relatório final em 48 horas. Uma possível sabotagem ao sistema será investigada.

“A causa é técnica. A ONS não vai poder dizer se for eminentemente técnico ou falha humana. Estou oficiando o Ministério da Justiça para instauração de inquérito comercial para apurar com detalhes o que ocorreu e onde. A Polícia Federal e a Abin serão acionadas”, explicou Silveira, em entrevista coletiva à imprensa na tarde desta terça-feira, junto com as entidades vinculadas para detalhar o trabalho realizado pelo MME no reestabelecimento dos serviços.

O governo já sabe qual é a concessionária responsável pela ocorrência, mas não quis revelar na entrevista coletiva. O porta-voz da ONS presente na coletiva disse que o apagão foi causado por uma série de eventos sucessivos, com milésimos de segundo de intervalo entre um e outro.

O ministério de Minas e Energia, ONS e Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) estabeleceram uma sala de situação e o ministro disse que “todas as providências foram tomadas”, comparando com a operação realizada após a derrubada de torres de transmissão, no início do ano. “A ocorrência começou a ser atendida às 8h29 e foi encerrada às 14h49, diferente do que aconteceu na gestão anterior, que foi totalmente irresponsável e exigiu a contratação de térmicas. Agora, há planejamento e os reservatórios estão cheios”, disse Silveira.

O ministro ressaltou que o sistema elétrico brasileiro é robusto, está com os reservatórios cheios e terá seu sistema de transmissão ampliado após o leilão realizado recentemente. “Não é problema de geração de energia.”

Ele disse que a energia só será exportada quando o sistema estiver vertendo água e não soube dizer se a ocorrência foi numa linha de transmissão da Eletrobras. “Mas é fato que a Eletrobras detém o maior parque gerador e transmissor do Brasil”, comentou.

Em relação a uma possível relação entre a privatização da Eletrobras e o apagão, o ministro disse que a posição dele contra a operação é conhecida por todos. Hoje, a primeira-dama Rosângela Lula da Silva (Janja), escreveu numa rede social: “A Eletrobras foi privatizada em 2022, Era só esse o tuíte.” “A postagem foi uma citação. Foi uma manifestação natural e real de um fato que realmente aconteceu e que gera instabilidade no sistema nacional. O braço operacional do sistema elétrico, com os sistemas Eletronorte, Eletrosul, Furnas, foi uma grande perda para o sistema elétrico brasileiro.”

Ele disse que e Eletrobras não mostrou nenhuma solidariedade ao governo na ocorrência de hoje e que soube da mudança de comando da empresa através de fato relevante e que o governo, que é acionista, nem foi consultado. “A União deveria ter sido informada. Essa mudança abrupta sem sinergia com a política pública, com as nossas vinculadas, reafirma o que eu tenho dito que a privatização tirou a oportunidade do Brasil ter um sistema harmônico. Da forma que foi feita, a privatização fez mal sim ao Brasil.”

APAGÃO

Após o Ministério de Minas e Energia (MME) informar que o sistema nacional de energia foi restabelecido, às 14h30, restando ajustes pontuais a serem realizados pelas distribuidoras em algumas cidades, a informação também foi confirmada pelo O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), que disse que a recomposição foi concluída em todas as regiões do país às 14h49. O órgão também atualizou o montante de interrupção de energia devido ao apagão foi de, pelo menos, 18,9 mil megawatts (MW), ante 16 mil MW anterior.

Em nota atualizada às 15h35, o ONS disse: “assim que identificou a situação, iniciou ação conjunta com os agentes para restabelecer a energia nas regiões. A normalização das cargas da região Sul foi concluída às 9h05min e nas regiões Sudeste/Centro-Oeste, às 9h33min. O SIN foi 100% recomposto às 14h49min.”

O operador confirmou que hoje, às 8h31, houve uma ocorrência no Sistema Interligado Nacional (SIN) que provocou a separação elétrica das regiões Norte e Nordeste das regiões Sul e Sudeste, com abertura das interligações entre essas regiões. A interrupção no Sul e no Sudeste foi uma ação controlada para evitar propagação da ocorrência.

O operador afirmou que, assim que identificou a situação, iniciou ação conjunta com os agentes para restabelecer a energia nas regiões. As causas da ocorrência ainda estão sendo apuradas.