Carga no sistema terá expansão de 0,9% em julho, aponta ONS

1353
Hidrelétrica Risoleta Neves, Minas Gerais. Crédito: Agência Vale.
Hidrelétrica Risoleta Neves, Minas Gerais. Crédito: Agência Vale.

São Paulo – O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) estima que a carga no Sistema Interligado Nacional (SIN) terá expansão de 0,9% em julho, para 69.855 megawatts (MW) médios, o que mostra uma estabilidade em relação ao divulgado anteriormente, aponta em seu boletim para a semana operativa de 22 a 28 de julho.

As projeções de aceleração para o Norte e Nordeste são de, respectivamente, 11,6% (7.202 MWmed) e 4,9% (11.702 MWmed). As demais regiões apresentam uma tendência de redução na carga: 1,5% (38.931 MWmed) no Sudeste/Centro-Oeste e 0,4% (12.020 MWmed) no Sul. Os percentuais comparam as estimativas para o final de julho de 2023, ante o mesmo período do ano passado.

As estimativas de Energia Natural Afluente (ENA), para o final do mês são um pouco superiores ante aquelas divulgadas no período anterior para dois subsistemas. O Sudeste/Centro-Oeste deve registrar ENA de 88% da Média de Longo Termo (MLT), ante 86% da última revisão. Para o Nordeste, também há possibilidade de crescimento: 55% da MLT, ante 50%. O Norte apresenta estabilidade, com manutenção de 76% da MLT. A ENA prevista para a região Sul em 31 de julho é de 144% da MLT.

As indicações de Energia Armazenada (EAR) para o final do mês seguem acima de 90% em dois subsistemas. O Sul registra a possibilidade de atingir 93,4% e o subsistema Norte tem a perspectiva de chegar a 93,2% em 31 de julho. O Sudeste/Centro-Oeste deve atingir 83,7% e, por fim, a EAR do Nordeste é projetada em 78,9%.

Por fim, o Custo Marginal de Operação (CMO) se mantém zerado em todos os subsistemas pela trigésima primeira semana consecutiva, padrão iniciado no final de dezembro de 2022. São mais de seis meses consecutivos nesta condição. É o período mais longo de CMO zerado de forma seguida na série histórica monitorada pelo operador, informa a ONS.