Bolsonaro diz que deve vetar o fundo eleitoral de R$ 5,7 bi aprovado

Presidente Jair Bolsonaro discursa após cerimônia de posse do Ministro de Estado da Cidadania, Joao Roma, e do Ministro de Estado Chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Onyx Lorenzoni e sanção da Lei da Autonomia do Banco Central. (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Brasília – O presidente Jair Bolsonaro afirmou em entrevista divulgada ontem à noite pela TV Brasil que deve vetar o fundo eleitoral de R$ 5,7 bilhões para 2022. O montante foi aprovado pelo Congresso Nacional na semana passada, durante a votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2022. O valor é 3x maior que fundo previsto para as eleições de 2018, quando era de R$ 2 bilhões.

“É uma cifra enorme, que, no meu entender, está sendo desperdiçada, caso ela seja sancionada. Posso adiantar para você que não será sancionada. Eu tenho que conviver em harmonia com o Legislativo. E nem tudo que eu apresento ao Legislativo é aprovado e nem tudo que o Legislativo aprova, vindo deles, eu tenho obrigação de aceitar para o lado de cá. Mas a tendência nossa é não sancionar isso daí em respeito ao trabalhador, ao contribuinte brasileiro”, afirmou.

Nesta manhã, em entrevista para rádio Itatiaia, Bolsonaro afirmou ainda que o valor “extrapolou”, por isso ele tem o direito de vetar e que agora a “bola” está com o Congresso. “O parlamento vai decidir, depois do meu veto, se vai decidir depois do meu veto, se derruba ou não. A bola estará com o parlamento”.