Bolsa fecha em alta pelo 2º dia seguido com bancos, às vésperas do IPCA e CPI; dólar cai

164

São Paulo -A Bolsa fechou em alta pelo segundo dia seguido, com sinal contrário a Nova York, amparada pelo setor financeiro e ações cíclicas às vésperas da divulgação da inflação ao consumidor nos Estados Unidos (CPI, sigla em inglês) e o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), ambos referente a março.

O mercado coloca todas as atenções ao indicador americano, após o payroll forte.

A Petrobras (ON, +0,50%; PN, +0,25%). Bradesco (ON, +1,08% e PN, +0,61%), Itaú (PN, +1,05%) e Banco do Brasil (ON, +0,84%). Magazine Luiza (ON+2,24%) e Vamos (ON, +5,47%).

A Vale (ON, -0,66%). Hoje o Bank of America cortou a recomendação das ações da mineradora de “compra” para “neutra” e o preço-alvo de R$ 95 para R$ 62.

O principal índice da B3 subiu 0,80%, aos 129.890.37 pontos. O Ibovespa futuro com vencimento em abril registrou alta de 0,97%, aos 130.260 pontos. O giro financeiro foi de R$ 20,1 bilhões Em Nova York, os índices fecharam mistos.

Pedro Marinho Coutinho, sócio da The Hill Capital, disse que o mercado está em compasso de espera para os dados de inflação nos Estados Unidos e aqui.

“O CPI -deve subir 0,3% em março-é um número superimportante para entender se o conforto do Jerome Powell vai continuar em relação às próximas decisões. A dúvida fica se vão cortar os juros, quantas vezes e qual o tamanho desse corte. O IPCA deve subir 0,24% em março. A perspectiva de queda de juros no Brasil ajuda a Bolsa e os ativos ciclos se beneficiam e alguns bancos também que estão subindo”.

Pedro Moreira, sócio da One Investimentos, disse que o mercado está à espera dos dados de inflação aqui e lá fora amanhã (10).

“A expectativa é de um CPI [inflação ao consumidor nos EUA] em desaceleração, apesar de um payroll forte na sexta-feira (05) e para o IPCA [Indice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, inflação oficial do País] espera-se que [os grupos] transportes, alimentação e bebidas ainda devem pressionar o índice como mês passado. Hoje os investidores locais estão montando ou desfazendo posições, se preparando para amanhã. Os locais realizam em Vale mesmo com o minério de ferro ter fechado em alta em Dalian. Os bancos sobem por questão de fluxo”.

Em relação à Petrobras, o sócio da One Investimentos disse que “há expectativa para uma reunião entre o presidente Lula e Haddad [ministro da Fazenda] no final da tarde para discutir dividendos e comando da companhia. Espera-se que sejam pagos pelo menos 50% dos dividendos, defendido pelo Haddad e que agrada o mercado”.

O dólar comercial fechou em queda de 0,49%, cotado a R$ 5,0059. A moeda refletiu, ao longo da sessão, a queda global do minério de ferro e o alívio nas Treasuries. O mercado, contudo, aguarda o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) de março, nos Estados Unidos, que será divulgado amanhã.

Para o head de Tesouraria do Travelex Bank, Marcos Weigt, a alta do minério, também observada ontem, faz com que o real performe bem, e chama a atenção para o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) de março nos Estados Unidos, que será divulgado amanhã.

Na leitura do analista da Potenza Investimentos, Bruno Komura, a alta das commodities – como a do minério de ferro – tem enfraquecido o dólar. “Essa alta das commodities deve ajudar na balança comercial, tirando a pressão do real”, explica.

As taxas dos contratos futuros de Depósitos Interfinanceiros (DI) fecharam em queda. O movimento de hoje foi alinhado às Treasuries, menos pressionadas nesta terça.

Por volta das 16h37 (horário de Brasília), o DI para janeiro de 2025 tinha taxa de 9,935%, de 10,005% no ajuste anterior; o DI para janeiro de 2026 projetava taxa de 9,975 de 10,080%, o DI para janeiro de 2027 ia a 10,295%, de 10,410%, e o DI para janeiro de 2028 com taxa de 10,620% de 10,730% na mesma comparação.

Os principais índices do mercado de ações dos Estados Unidos fecharam em campo misto, com poucas alterações em relação ao pregão anterior, enquanto Wall Street aguarda a divulgação do relatório-chave de inflação para buscar insights sobre o rumo das taxas de juros.

Confira abaixo a variação e a pontuação dos índices de ações dos Estados Unidos após o fechamento:

Dow Jones: -0,02%, 38.883,67 pontos
Nasdaq 100: +0,32%, 16.307 pontos
S&P 500: +0,14%, 5.209,91 pontos

 

Com Paulo Holland, e Camila Brunelli e Darlan de Azevedo / Agência Safras News