Bancos da zona do euro antecipam aumento na demanda por empréstimos, aponta BCE

283
Sede do Banco Central Europeu (BCE), em Frankfurt. Foto: Divulgação/ BCE

São Paulo – Os bancos da zona do euro estão otimistas em relação a uma recuperação econômica, conforme indicado por uma pesquisa do Banco Central Europeu (BCE) divulgada nesta terça-feira.

Pela primeira vez em dois anos, há expectativas de um pequeno aumento na demanda por hipotecas e empréstimos corporativos, sinalizando que a queda nos empréstimos está começando a se estabilizar.

A Pesquisa Trimestral de Empréstimos Bancários revelou que, embora os credores tenham continuado a restringir o acesso ao crédito no último trimestre de 2023, o número de bancos que o fizeram foi o menor em dois anos.

Entre as quatro maiores economias da zona do euro – Alemanha, França, Itália e Espanha – apenas a Alemanha testemunhou um aperto líquido nos padrões de crédito para empréstimos corporativos. Para hipotecas, nenhum dos países viu um aperto líquido, indicando uma estabilização nos critérios de concessão de empréstimos.

A pesquisa também revelou que, enquanto os termos e condições para o crédito ao consumidor se tornaram mais restritos, houve uma flexibilização para empréstimos imobiliários.

Nos empréstimos corporativos, observou-se “quase nenhum aperto líquido nos serviços”, mas um “aperto líquido relativamente grande nos setores imobiliário comercial, construção e imobiliário residencial”.

Além disso, o acesso dos bancos ao financiamento via mercados monetários, depósitos de longo prazo e títulos de dívida melhorou, à medida que os mercados começaram a antecipar cortes nas taxas de juros pelo BCE. No entanto, houve um ligeiro aperto no financiamento de varejo de curto prazo e na securitização.