Ata do Fed mostra que Fomc quer maior confiança na inflação antes de corte nos juros

225
Símbolo do Fed em dólar // Crédito: Pexels/Karolina Grabowska

São Paulo – A maioria dos membros do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) avaliaram na última reunião de política monetária em 2024, realizada entre os dias 19 e 20 de março, que ainda é necessária uma maior confiança na desaceleração da inflação antes de decidir sobre o início do corte na taxa básica de juros.

De acordo com a ata da reunião, “os participantes observaram indicadores que apontam para um forte impulso econômico e leituras decepcionantes sobre a inflação nos últimos meses e comentaram que não esperavam que seria apropriado reduzir o intervalo da meta para a taxa de juros até que tivessem ganhado maior confiança de que a inflação estava se movendo de forma sustentável em direção a 2%.”.

Eles também discutiram leituras de inflação acima do esperado em janeiro e fevereiro. A reunião ocorreu antes da divulgação do índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) de março, publicado hoje.

“Alguns participantes observaram que os aumentos recentes da inflação foram relativamente amplos e, portanto, não devem ser descontados como meras aberrações estatísticas”, afirmou a ata.

As autoridades do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) expressaram preocupação de que a inflação não estava caindo rápido o suficiente, embora ainda esperassem cortar as taxas de juros em algum momento deste ano.

Os membros do Comitê citaram a turbulência geopolítica, em especial no Oriente Médio, e o aumento dos preços da energia como riscos para elevar a inflação. Eles também citaram o potencial de que uma política mais frouxa possa aumentar as pressões sobre os preços.

Em contrapartida, eles citaram como vetor desinflacionário um mercado de trabalho mais equilibrado, tecnologia aprimorada, juntamente com fraqueza econômica na China e um mercado imobiliário comercial em deterioração.

A ata da reunião indica que “quase todos os participantes julgaram que seria apropriado mover a política para uma postura menos restritiva em algum momento deste ano se a economia evoluísse amplamente como esperavam”. “Em apoio a essa visão, eles observaram que o processo de desinflação continuava em uma trajetória que geralmente se esperava que fosse um pouco desigual”.

Os membros também discutiram a possibilidade de acabar com a redução do balanço. O Fed cortou cerca de US$ 1,5 trilhão de suas participações em títulos do Tesouro e títulos lastreados em hipotecas, permitindo que até US$ 95 bilhões em receitas de títulos vencidos rolassem a cada mês, ao invés de reinvesti-los.

Apesar de não dar indicações sobre essa  flexibilização do que ficou conhecido como “aperto quantitativo” acontecerá, embora a ata tenha dito que a rolagem seria cortada em “aproximadamente metade” de seu ritmo atual e o processo deve começar “em breve”. A maioria dos economistas do mercado espera que o processo comece nos próximos meses ou dois.

 

“Ao discutir as perspectivas da política, os participantes do Fomc julgaram que a taxa básica de juros provavelmente atingiu o seu pico para este ciclo de aperto monetário”, afirmou o documento.

Embora as atas avaliassem o sólido progresso sendo feito, o comitê considerava parte desse progresso como idiossincrático e possivelmente devido a fatores que não durarão.

Consequentemente, os membros disseram que irão avaliar cuidadosamente os próximos indicadores econômicos para descobrirem para onde a inflação está se dirigindo a longo prazo. As autoridades observaram tanto os riscos positivos quanto os negativos e se preocuparam em reduzir as taxas muito rapidamente.

“Os membros permaneceram preocupados que a inflação elevada continuasse a prejudicar os lares, especialmente aqueles com recursos limitados para absorver preços mais altos, informou a ata do Fed. “Embora os dados de inflação tenham indicado uma significativa desinflação na segunda metade do ano passado, os participantes observaram que estariam avaliando cuidadosamente os dados recebidos para julgar se a inflação estava se movendo de forma sustentável em direção a 2%.”

Juntamente com a discussão sobre os juros e inflação, as autoridades também mencionaram os títulos mantidos no balanço do Fed. Desde junho de 2022, o banco central permitiu que mais de US$ 1,3 trilhão em títulos do Tesouro e títulos lastreados em hipotecas vencessem ao invés de reinvestir os recursos como o habitual.

A ata indicou que uma discussão mais aprofundada ocorrerá na reunião de março. As autoridades também indicaram na reunião de janeiro que provavelmente adotarão uma abordagem lenta no processo de aperto quantitativo. A questão é quanto as reservas precisarão ser para atingir as necessidades dos bancos. O Fed caracteriza o nível atual como amplo.

“Alguns membros observaram que, dada a incerteza em torno das estimativas do nível amplo de reservas, desacelerar o ritmo de escoamento poderia ajudar a suavizar a transição para esse nível de reservas ou permitir que o Comitê continue o escoamento do balanço por mais tempo”, informou a ata do Fed. “Além disso, alguns participantes observaram que o processo de escoamento do balanço poderia continuar por algum tempo mesmo depois que o Comitê começasse a reduzir a faixa-alvo da taxa de juros”.