Ação da Ultrapar dispara quase 10% com novo CEO; para Credit Suisse, o nome é o ideal

Os analistas e investidores aprovaram as alterações na administração da companhia, destacando a mensagem de mudança após quedas recentes

Foto divulgação: Grupo Ultra

São Paulo – As ações da Ultrapar já abriram em forte alta refletindo o plano de sucessão anunciado pela companhia, com a decisão de que o atual conselheiro Marcos Marinho Lutz será o novo diretor presidente entre janeiro de 2022 e abril de 2023, para posteriormente assumir a posição de presidente do conselho de administração no lugar de Pedro Wongtschowski. O atual diretor presidente da companhia, Frederico Curado, irá para a vice-presidência do conselho.

Às 12h12 (horário de Brasília), os papéis da empresa (UGPA3) tinham ganhos de 9,24%, R$ 15,97, entre as maiores altas do Ibovespa, após atingirem há pouco a máxima de R$ 16,07.

Lutz iniciou sua carreira no Grupo Ultra em 1994 como trainee e permaneceu até 2003, tendo chegado à posição de presidente da Ultracargo, além de ter sido CEO da Cosan de 2009 a 2020.

Os analistas do Credit Suisse acreditam que Lutz é “a pessoa ideal para o cargo” e que esse período será importante para que aprenda mais sobre a empresa antes de ir para a presidência do conselho, além de destacarem que Leonardo Linden irá assumir o cargo de diretor presidente da Ipiranga em outubro. “Ele tem um forte histórico e acreditamos que deve conseguir melhorar margens, recuperar share e extrair mais valor dos ativos”, disseram ainda, em relatório.

Já os analistas do BTG Pactual afirmam que causou surpresa a antecipação em 18 meses do anúncio que Marcos Lutz vai assumir como presidente do conselho, mas destacam que essa alteração reforça a mensagem de mudança na companhia.

“Achamos o movimento bem inteligente, mas vemos o processo de re-rating sendo algo muito gradual e dependente da Ultrapar voltar a mostrar capacidade de crescer o seu negócio”, afirmaram.

Na mesma linha, o Goldman Sachs viu as mudanças de forma positiva, uma vez que os novos presidentes da Ultrapar e Ipiranga podem trazer experiência para a reorganização contínua do portfólio e a recuperação do negócio principal da Ultrapar, que é a Ipiranga.

O analista da Guide Investimentos, Luís Sales, também aprovou as mudanças em função da necessidade de reestruturação que a rede de distribuição de combustível Ipiranga possui, tendo em vista a queda de rentabilidade que ela vem apresentando nos últimos anos.