YDUQS registra prejuízo de R$ 79,5 mi no segundo trimestre

161

São Paulo – A YDUQS reportou prejuízo líquido de R$ 79,5 milhões no segundo trimestre do ano, revertendo o lucro de R$ 194,8 milhões visto um ano antes. O lucro líquido ajustado, que engloba ajustes de despesas não recorrentes, foi 30,2% menor e somou R$ 135,9 milhões na mesma base de comparação.

No trimestre, a receita líquida totalizou R$ 991,1 milhões, alta de 3,5% na base anual, enquanto a receita líquida ajustada, de itens não recorrentes, subiu 10,5% no período, para R$ 1,058 bilhão.

De acordo com a educacional, os resultados do período foram impactados pelos efeitos da pandemia do coronavírus na receita e nos custos, assim como itens não recorrentes que afetaram o ebitda do trimestre em R$ 215,5 milhões.

Já o ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) somou R$ 111,2 milhões no segundo trimestre, 67,5% inferior ao mesmo período de 2019. O ebitda ajustado, por sua vez, foi de R$ 326,6 milhões no trimestre, queda de 4,5% na comparação anual.

Em termos operacionais, a base total de alunos da YDUQS era de 752,8 mil ao final do segundo trimestre do ano, alta de 30,6% em relação ao mesmo intervalo do ano passado. Do total, a graduação tinha 640,7 mil alunos, 38,5% maior que o visto no ano anterior, enquanto a pós-graduação teve alta de 37,7% na comparação anual, para 112,2 mil alunos.

No ensino superior presencial total houve alta de 13,4% no segundo trimestre, em relação ao mesmo período de 2019, para 372,2 mil. No segmento de graduação, houve alta de 15,4% para 343,8 mil, enquanto na pós-graduação o número é de 28,3 mil alunos, 5,9% menor que o mesmo período do ano passado. A penetração de FIES totalizou 11% da base de alunos de graduação presencial.

No ensino a distância (EAD) total, houve alta de 53,3% no trimestre, para 380,7 mil alunos. Na graduação + flex, o aumento foi de 50,7%, para 296,8 mil alunos, enquanto na pós-graduação houve alta de 63,4%, para 83,8 mil na base anual.

No período, dívida líquida da YDUQS era de R$ 2,758 bilhão, alta de mais de duas vezes na comparação anual, enquanto o total de caixa e disponibilidades somava R$ 1,907 bilhão, alta de quase três vezes que o visto no mesmo período de 2019.