Vendas no varejo têm alta recorde em julho e sobem pelo 3º mês

215
Foto divulgação: Sebrae

São Paulo, 10 de setembro de 2020 – As vendas do comércio varejista restrito, que excluem veículos e material de construção, subiram pelo terceiro mês consecutivo, em +5,2% em julho em relação a junho, na maior alta para o período desde o início da série histórica, em 2000, segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado mensal ficou bem acima da previsão, de +1,00%, conforme mediana calculada pelo Termômetro CMA.

Já na comparação com julho de 2019, as vendas no varejo registraram o segundo resultado positivo consecutivo, crescendo +5,5%, também bem acima da previsão de +2,10%. Até julho, as vendas do varejo restrito acumulam queda de 1,8% no ano, mas ligeira alta de 0,2% nos últimos 12 meses.

Segundo o IBGE, o comércio varejista como um todo está 5,3% acima do nível observado em fevereiro, o que significa que o crescimento em julho já representa um ganho do setor. “Até junho, houve uma espécie de compensação do que ocorreu na pandemia, mas em julho a recuperação já tem um excedente de crescimento”, destaca o gerente da pesquisa, Cristiano Santos.

Em base mensal, sete das oito atividades pesquisadas registraram alta da atividade, com destaque para livros, jornais, revistas e papelaria (+26,1%); tecidos, vestuário e calçados (+25,2%); e móveis e eletrodomésticos (+4,5%). A exceção ficou com o segmento de hiper e supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, que ficou estável na comparação com junho.

Já na comparação com junho de 2019, houve um igual número de taxas positivas e negativas. Do lado das altas, destaque para hiper e supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (+5,5%); e móveis e eletrodomésticos (+26,4%). Já entre as atividades que apresentaram queda, estão tecidos, vestuário e calçados (-31,4%); e livros, jornais, revistas e papelaria (-25,1%).