Vendas no varejo caem 11% em novembro em base anual, aponta ICVA

143
Foto divulgação: Sebrae

São Paulo –  O Indice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA) apontou que as vendas do setor em novembro caíram 11% em relação ao mesmo período do ano passado, já descontada a inflação do período. Em termos nominais, sem ajuste, a queda foi de 4,3%.

O resultado de novembro interrompe a recuperação do comércio percebida por sete meses seguidos – entre abril e outubro. Os setores que mais desaceleraram foram os de varejo alimentício especializado e supermercados e hipermercados. cosméticos e higiene pessoal, drogarias e farmácias, do outro lado, apresentaram forte aceleração.

“A queda do ritmo do varejo aconteceu em todos os macrossetores, indicando uma piora geral no cenário. A desaceleração é observada mesmo desconsiderando os setores de Serviços, mais impactados pela pandemia. Esse comportamento também foi observado no desempenho da Black Friday que, apesar do forte crescimento das vendas online, teve queda de 8,4% no total”, afirma o superintendente executivo de Inteligência da Cielo, Gabriel Mariotto.

Ao ponderar o Indice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) pelos setores e pesos do ICVA, a inflação no varejo foi de 7,6% em novembro, uma aceleração ante outubro. O IPCA apresentou alta de 0,89% no mês passado.

No mês passado, os setores de bens duráveis e semiduráveis tiveram queda nas vendas. No macrossetor bens não duráveis, a maior desaceleração foi do setor de varejo alimentício especializado, enquanto o destaque positivo foi o setor de drogarias e farmácias.

No setor de bens duráveis e semiduráveis, a maior desaceleração foi no de materiais para construção. No bloco de serviços, o mais impactado pela pandemia, destacam-se as acelerações nos segmentos de serviços automotivos e autopeças e recreação e lazer.