Vendas no varejo ampliado caem 17,5% em abril ante março

180

São Paulo – As vendas do comércio varejista ampliado, que incluem veículos e material de construção, desabaram 17,5% em abril em relação a março, segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Trata-se da queda mais intensa desde o início da série histórica, iniciada em janeiro de 2004.

Já na comparação com abril de 2019, as vendas do varejo ampliado tiveram forte retração de 27,1%, engatando o segundo mês de resultado negativo refletindo os efeitos do isolamento social em decorrência da pandemia do coronavírus. Com isso, o comércio varejista ampliado apresenta queda de 6,9% no ano, mas alta de 0,8% nos últimos 12 meses, até abril.

Na passagem de março para abril, as vendas no segmento de material de construção tiveram queda livre de 1,9%, com resultado bem menos intenso do registrado em março (-17,1%), enquanto o segmento de veículos, motos, partes e peças tombaram 36,2%. Na comparação com um ano antes, o segmento ligado à reformas e construção teve queda de 21,1%, enquanto o ligado aos automóveis desabou 57,9%.

Segundo o IBGE, os resultados de abril do varejo ampliado deram continuidade ao fraco resultado de março quando começou o isolamento social no país, além de ter sido o primeiro mês completo que captou os efeitos da pandemia. Do total de empresas coletadas, 28,1% relataram impacto do isolamento social em suas receitas, contra 14,5% no mês anterior.

“No caso do ampliado, ele já vinha numa queda intensa desde o mês passado (-13,7%), especialmente devido ao recuo em veículos, motos partes e peças”, comenta o gerente da pesquisa, Cristiano Santos.