Vendas digitas impulsionam resultado da Ambev

Foto divulgação: Ambev

São Paulo – A Ambev atribuiu os bons resultados do primeiro trimestre às vendas por meio da BEES, plataforma digital para vendas, entrega programada e serviços financeiros a distribuidores, e disse atender mais de 65% do total, com 550 mil clientes, por essa plataforma. Devido aos bons resultados da plataforma, a Menu.com, startup de marketplace que conecta indústrias diretamente com bares e restaurantes, será integrada ao sistema da Ambev.

“O BEES ajuda demais, já entendemos os algoritmos para entender preços, descontos, já temos alguns padrões para entender os resultados. O desconto já é conectado com o sell out, com os resultados. Conseguimos focar os descontos para determinadas ocasiões, como churrasco, por exemplo, e isso aumenta a eficiência e gera melhores resultados”, disse o presidente da Ambev, Jean Jereissati Neto.

A fabricante disse que não sentiu impacto do cancelamento do carnaval nas receitas e ampliou a participação de mercado de suas marcas, em teleconferência para investidores.

“Com o carnaval, teríamos um mix de embalagem pior, por que as vendas concentram mais no fim de semana, seria um milhão de hectolitros (hl), com menos preço e maior [despesa] em mix de embalagem”, respondeu o executivo ao ser perguntado sobre qual seria o desempenho com as festas de carnaval. “O consumidor paga pela conveniência da venda pelo [aplicativo] Zé Delivery e essa é a nossa estratégia para mitigar a pressão sobre os custos.”

“O foco continuará a ser o desempenho de vendas por hectolitro e voltar ao ebitda ajustado dos níveis pré-pandemia”, disse Jean Jereissati Neto, presidente da Ambev. “Esperamos maior pressão no segundo trimestre e menor no segundo semestre, devido a expectativa de receitas remuneradas.”

Em seu relatório de resultados, a companhia disse que, no Brasil, espera que a pressão sobre as margens permaneça, em decorrência do câmbio, preços das commodities desfavoráveis e aumento de SG&A (despesas gerais e administrativas), principalmente em função de maiores provisões de remuneração variável, e que tudo isso pode ser parcialmente compensado com o desempenho melhor do que o esperado da receita.

A empresa disse que a venda de marcas internacionais, como Stella Artois, já está acima dos níveis registrados em 2019. Já as marcas principais estão se recuperando, com destaque para Brahma, e estabilidade na Skol e Guaraná Antartica, por exemplo.

“O consumidor brasileiro entendeu conceito de duplo malte da Brahma e conectamos o produto às paixões do brasileiro, como o sertanejo, o que trouxe bons resultados com a marca após um ano de trabalho”, disse Lucas Lira, diretor vice-presidente financeiro.

A empresa trabalha para melhorar a liquidez do ambiente ainda volátil no mercado de capitais e está investindo em aumento de capacidade produtiva e tecnologia com foco nas vendas aos distribuidores.

A companhia está testando pilotos em outros segmentos para diversificar seu portfólio de bebidas para além da cerveja, como em vodka e coquetéis, além de lançar a Bud Light Seltzer no Canadá, que avalia levar para outros mercados que atua.

Na Argentina, o negócio de vinhos cresceu 16% após a compra de uma vinícola no país. Em fevereiro do ano passado, a AB Inbev, dona da Ambev, comprou a Dante Robino por meio da subsidiária local Quilmes.

As despesas gerais da companhia devem aumentar ao longo do ano devido a provisão de bônus e ao crescimento da distribuição, que por sua vez, traz retorno para as vendas. As despesas de marketing também devem acompanhar essa evolução.

A pandemia continua sendo um ponto de atenção e a companhia espera melhores resultados com o controle sanitário e redução das restrições a circulação.

“O desempenho está melhor que o esperado, mas ainda pode evoluir com a melhora na pandemia. A situação é fluida em vários países e nos deixa bastante empolgados para ampliar a nossa participação no on-trade em mercados como Chile e Argentina, por exemplo.”

A companhia disse que espera uma base maior de clientes e uma euforia com a melhor controle da pandemia.

“O avanço da vacinação nos Estados Unidos e o turismo de verão nos países em que atuamos devem mostrar já alguns indicativos de como será essa recuperação”, finalizou o presidente da companhia.