Venda de aços planos sobe 5,4% em abril, para 343,1 mil t, diz Inda

São Paulo – As vendas de aços planos subiram 106,7% em abril em relação ao mesmo período de 2020, ficando em 343,1 mil toneladas, segundo dados do Instituto Nacional dos Distribuidores de Aço (Inda). Na comparação mensal, houve alta de 5,4%, quando foram vendidas 325,4 mil toneladas.

No acumulado janeiro a abril, as vendas somaram 1,3 milhão de toneladas, cresceram 31,2% em comparação a janeiro e abril de 2020, quando foram vendidos 995,2 mil toneladas.

No mês passado, as compras de aços planos cresceram 92,7%, em base de comparação anual, para 345,1 mil toneladas. Com relação a março, em que foram compradas 340,1 mil toneladas, as aquisições aumentaram 1,5%.

Em abril, os estoques aumentaram 0,3% ante março, atingindo o montante de 713,2 mil toneladas. O giro dos estoques, por sua vez, ampliou para 2,1 meses.

As importações aumentaram 121,9% em abril em relação ao mesmo período do ano anterior, com volume de 125,4 mil toneladas. Ante o mês anterior, houve queda de 10,7% nos embarques. Mais de 50% das importações vieram da China em abril, segundo a entidade. Em abril, mais de 50% das importações vieram da China.

Para maio, a expectativa do Inda é de que compras permaneçam iguais a março e que as vendas tenham uma queda de 5%, para 325,9 mil toneladas.

Em estoques, a entidade considera que o ideal seria chegar a 2,5.

“Em chapas grossas é necessário ter um estoque maior devido a variedade de produtos. A entidade não considera ideal chegar a média de 3,0-3,2 em estoque, que é considerado alto”, disse Carlos Jorge Loureiro, presidente do Inda.

O Brasil exportou mais placas do que produtos laminados. O total exportado foi 720,7 mil toneladas, sendo 639 mil toneladas de placas e 70,5% para os Estados Unidos.

Em relação ao aumentos de preço, a expectativa é que ainda ocorram, mas que o nível atual comece a ter ajustes nos próximos meses.

“A oferta está muito reduzida, por que a China quer reduzir a produção, e algumas indústrias fecharam seus altos-fornos e isso tem ocasionado aumentos de preço. No Brasil, a CSN fala fala de aumento em torno de 5% a 10% em junho, mas mesmo assim, no nível elevado que está atualmente, deverá ter ajustes”, disse.

Em maio, houve aumentos de 10% a 18% no preço do aço, segundo Loureiro.

A entidade estima que a indústria transformadora de aço no Brasil deve crescer 10% este ano e que a exportação continue aquecida nos próximos meses.