União Europeia fecha acordo por 1,8 bi de doses de vacina contra covid-19 da Pfizer

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen / Foto : União Europeia

A União Europeia (UE) comprará de mais 1,8 bilhão de doses de vacina da Pfizer-BionTech contra covid-19, anunciou a presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, acrescentando que a vacinação está progredindo bem no bloco, assim como a implementação do passaporte de vacinas.

“Estou satisfeita em anunciar que agora concluímos as negociações com a BioNTech-Pfizer por um novo contrato olhando para os anos 2022 e 2023. O novo contrato garante 1,8 bilhão de doses de vacinas”, disse Von der Leyen no final de semana ao participar de um evento em Portugal.

“Mais cedo ou mais tarde, crianças e adolescentes serão vacinados. Para isso, temos que nos preparar”, disse. Segundo ela, outros contratos e outras tecnologias de vacinas estão por vir.

Von der Leyen disse que a vacinação está progredindo bem na UE, e a Comissão se prepara para os próximos passos na resposta europeia, que incluem doses de reforços das vacinas, lidar com possíveis variantes e permitir a vacinação de crianças e adolescentes.

“Nós agora entregamos mais de 200 milhões de doses para a população europeia, então estamos no caminho para alcançar nossa meta de doses suficientes sendo distribuídas em julho para vacinar 70% da população europeia adultas”, disse ela. “Cerca de 160 milhões de europeus agora já receberam uma primeira dose da vacina, isso é 25% da população da UE”.

Ela disse ainda que o passaporte de vacinação deve passar a valer em junho. “Estou satisfeita em reportar que o trabalho legal e técnico na UE sobre o certificado de viagem, o certificado de vacinação está no caminho para o sistema estar operacional em junho”.

Por fim, ela disse que a UE está cumprindo seu papel na vacinação global. “Até hoje, na UE, 400 milhões de doses de vacinas formam produzidas, e 50% delas, 200 milhões de doses, foram exportadas para 90 diferentes países no mundo. Então convidamos outros a fazerem o mesmo”, concluiu.